Press Release

País é campeão de juros no cartão

17 julho 2012

PROTESTE comparou taxas cobradas nos cartões de crédito em seis países e constatou que valor do Brasil é superior à soma de todos os demais.

A PROTESTE Associação de Consumidores voltou a comparar a taxa média de juros cobrada nas operações com cartão de crédito com o de outros seis países (Argentina, Chile, Colômbia, Peru, Venezuela e México), e comprovou que o consumidor brasileiro continua submetido a taxas exorbitantes, apesar da queda taxa básica de juros da economia, a Selic.

O brasileiro que recorre ao financiamento por meio do cartão de crédito, o chamado rotativo, paga taxa média de juro anual de 323,14%. O Peru que é o segundo País da América Latina a ter valor maior cobra 55% ao ano, e o Chile 54,24%. O menor percentual é da Colômbia com 29,23% anual.

Os juros cobrados nas modalidades do crédito rotativo são uma das causas do crescente endividamento dos brasileiros. Conforme os dados levantados pela PROTESTE em junho de 2012, a taxa média atual está em 12,77% ao mês, que corresponde a 323,14%. A média foi calculada com base nos valores cobrados pelos cartões dos seguintes bancos e financeiras: Itaú, Bradesco, Santander, HSBC, Banco IBI, Banrisul, Caixa Econômica Federal, Citibank, Losango, Panamericano, Banco do Brasil, Banco BMG e BV Financeira.

A comparação foi com as taxas praticadas em outros países, priorizando a América Latina porque países da zona do Euro e outros, além de praticarem taxas sabidamente inferiores às do Brasil, boa parte deles não financia saldos devedores de cartões de crédito.

Para caracterizar as condições econômicas dos países componentes da amostragem, no quadro a seguir, são apresentadas além das taxas anuais dos cartões de crédito, também as taxas básicas de juros, de inflação e as taxas reais correspondentes.
                                     
Comparativo das taxas anuais do cartão de crédito, inflação e taxa básica de juro (em %)

 PAÍS

TAXA  BÁSICA

 INFLAÇÃO

 TAXA REAL

TAXA DO CARTÃO DE CRÉDITO

BRASIL

8,0

4,9  (*)

2,96%

323,14

ARGENTINA

11,15

9,9

1,14

50,0

CHILE

5,0

3,1

1,84

54,24

COLÔMIBIA

5,37

3,2

2,1

29,23

PERU

4,25

4,0

0,24

55,0

VENEZUELA

15,65

21,3

-4,66

33,0

MÉXICO

4,5

4,3

0,19

33,8

         

Fonte: Banco Central do Brasil e pesquisa pela internet
(*) Taxa acumulada nos últimos 12 meses