Especial

Perigo no abuso de aditivos alimentares

Risco à saúde

O risco dos aditivos à saúde é comprovado por uma série de estudos científicos. Os três principais males associados ao consumo excessivo de algumas dessas substâncias são:

  • Câncer
  • Hipersensibilidade alimentar
  • Déficit de atenção com hiperatividade

Há públicos que são ainda mais vulneráveis ao consumo dos aditivos. É o caso de gestantes, idosos, pessoas que têm alimentação pouco variada e, principalmente, crianças menores de três anos.

Crianças não estão prontas para aditivos

O maior problema com a criançada é que os sistemas digestivo e urinário ainda não estão totalmente preparados para processar uma alimentação que traga aditivos. Na saúde infantil, a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação e a Organização Mundial de Saúde recomendam que não sejam utilizados aditivos em produtos alimentares destinados a crianças menores de um ano.

Apesar disso, é importante ressaltar que há vários produtos no mercado para crianças menores de um ano que contêm aditivos, como iogurtes, gelatinas, refrigerantes, biscoitos, balas, dentre outros que são consumidos pelas crianças.

Sistema digestivo vulnerável ao câncer

Conforme estudos científicos, os aditivos são responsáveis por câncer da tireóide e aparelho digestivo.

Também foi comprovado, em análises realizadas com animais, o efeito cancerígeno do antioxidante butil hidroxianisol (BHA), quando administrado em doses excessivas.

Doses moderadas do BHA levam à redução do peso corporal e aumento do peso do fígado; hiperplasia da mucosa gástrica, além de reações inflamatórias (mais graves no sistema digestivo).

Outro estudo comprovou que a elevada ingestão de nitrosamina, que é formada no organismo a partir do consumo do aditivo nitrito, contribuiu para o aumento do número de casos de câncer nos órgãos do aparelho digestivo.

Estudos já comprovaram que corantes e conservantes atuam no aparecimento do Déficit de Atenção com Hiperatividade (DAH). A DAH é marcada pela falta de atenção, impulsividade e atividade motora exagerada.

É importante, assim, que alimentos com aditivos façam parte da dieta das crianças o mais tarde possível, de forma que o organismo delas não sofra riscos desnecessários à saúde.

Os aditivos alimentares são capazes de provocar reações alérgicas, que culminam em quadros de asma brônquica, rinite e urticária. Os aditivos que mais possibilitam essa reação são:

  • Tartazina.
  • Amarante.
  • Ponceau 4R.
  • Eritrosina.
  • Verde ácido brilhante.
  • Galatos.
  • Glutamato monossódico.
  • Ácido benzóico, benzoato de sódio e outros derivados de ácido sulfídrico e sulfitos.

Imprimir Enviar a um amigo