Veja todas as publicações da PROTESTE em seu celular ou tablet!

Potinho cheio de açúcar
Pais devem frear o consumo exagerado de petit-suisse pela garotada. O ideal é que não passe de uma unidade por dia.
10 julho 2017 |
danoninho

Mães dedicadas e crianças fofas aparecem diariamente em comerciais de petit-suisse. Tudo, claro, para convencer o público a consumir o produto industrializado, produzido por diferentes marcas. O petit-suisse é derivado do leite fresco, homogeneizado e pasteurizado. Sua massa é obtida a partir da adição do coalho ou bactérias lácteas, resultando em um queijinho de consistência cremosa. Acrescenta-se ainda ingredientes como manteiga, pedaços de fruta, polpa, suco, mel, especiarias, café, etc. Aparentemente, até que não é nada mal, não é mesmo?

A meninada, às vezes, se nega a comer frutas, verduras e legumes, e o petit-suisse acaba sendo uma alternativa. Resultado: o queijinho é consumido por muitas como sobremesa ou lanche. Mas, apesar de até conter nutrientes importantes para o organismo infantil, os pais devem frear o consumo exagerado da garotada. Motivo: conforme verificado em estudos anteriores realizados pela PROTESTE, esses produtos podem trazer 15,6g de açúcar em cada 100g. Isso significa que, se uma criança consumir um potinho, estará ingerindo 32% (para quem tem entre 4 e 6 anos) ou 27% (se tiver de 7 a 10 anos) do limite máximo diário de açúcar recomendado.

acucar

Só de olhar a lista de ingredientes desses produtos já conseguimos ter essa ideia. O açúcar aparece com frequência na lista, seja entre os primeiros itens ou distribuídos e com nomes diferenciados, como maltodextrina, frutose, xarope de açúcar – clique aqui e veja a tabela dos componentes dos produtos das principais marcas.

Outro problema está no horário em que estes produtos são ofertados. Como se trata de um produto lácteo, o alimento é rico em cálcio e, ao ser consumido como sobremesa, pode atuar como um agente inibidor da absorção do ferro.

De uma forma geral, dependendo do fabricante – e vale a pena avaliar a lista de ingredientes –, o petit-suisse pode ser consumido, mas desde que o hábito não seja frequente. O ideal é não passar de um potinho por dia, preferencialmente descolado do almoço e do jantar. 

Vale lembrar: queijinho não é bifinho

Bife

Em meados da década de 80, uma propaganda marcou a infância de muitos adultos de hoje. Ela afirmava: “Danoninho vale por um bifinho”. Na época, a publicidade apelativa foi condenada por muitos nutricionistas e acabou proibida

O petit-suisse não deixa de ser uma fonte de minerais e proteínas, mas, de fato, o Danoninho jamais poderia valer por um bifinho. O valor nutricional da carne é muito superior, pois possui maior teor de proteínas, vitaminas e minerais. Não bastasse isso, o ferro da carne ainda apresenta melhor índice de absorção pelo organismo. E o mais importante: não possui conservantes, corantes e açúcares adicionados. Ou seja, é impossível compará-la com um produto que não passa de um lanchinho.

APRENDA A FAZER UM PETIT-SUISSE NATURAL

Morango 

Se seu filho não abre mão do queijinho, não precisa se preocupar. Apele para o petit-suisse feito em casa e fuja dos potinhos cheios de açúcar vendidos por aí. É só seguir a nossa receita:

Ingredientes
Morangos - 7-10 unidades
Iogurte - 1/2 pote de iogurte desnatado sem sabor
Água – 20 mL
Inhame - 1/2 unidade

Modo de Preparo
1 - Cozinhe o inhame em água fervente por cerca de 7-9 minutos ou até cozinhar.
2 - Corte em pedaços e leve ao liquidificador.
3- Adicione os morangos, o iogurte e a água. Bata até ter uma solução cremosa.

Gostou deste conteúdo? Cadastre-se agora e receba gratuitamente informações da PROTESTE! Se você é associado e precisa de ajuda, ligue para nosso Serviço de Defesa do Consumidor pelo 0800 282 2204 (de telefone fixo) ou (21) 3906-3900 (de celular).

Leia também

consorcio
foto-celular
alimenta-4
IMG-queijominas

Deixe seu comentário()

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.