Notícia

Ração humana: vale a pena?

14 abril 2011

14 abril 2011

Conheça um pouco mais sobre este composto que conquistou quem faz dieta, mas que deve ser usado com moderação.

Quem faz dieta certamente já ouviu falar na ração humana. Muita gente corre atrás dessa novidade em busca de emagrecimento rápido, mas, no entanto, não conhece a fórmula e o uso correto desse composto.

Os benefícios são os mesmos obtidos com uma dieta rica em fibras, vitaminas e minerais, já que estes são os principais nutrientes da ração humana. Ainda não há comprovação científica de emagrecimento; no entanto, por possuir um alto teor de fibras, vitaminas e minerais, a ração humana pode ser um bom complemento para a saúde.

A quantidade diária recomendada é de duas colheres de sopa por dia. E é preciso ficar atento a algumas questões:

- Não use como substituto de refeição. Coma com uma fruta ou iogurte no café da manhã, por exemplo;

- Diabéticos devem evitar fórmulas com açúcar (mesmo o mascavo) e hipertensos e cardíacos não devem consumir as que tem cacau e guaraná em pó

- Por ser rica em fibras, beba no mínimo 2,5 litros de água por dia;

- Se fizer a receita em casa, observe a validade: o ideal é consumir em até 15 dias, mesmo guardando na geladeira. Além disso, verifique a procedência dos ingredientes.

Ração é inferior à dieta equilibrada

Você pode encontrar a ração pronta ou fazer a sua própria receita. A base é sempre a mesma: alimentos ricos em fibra (como farelo de aveia e de trigo, gergelim, linhaça e quinoa). Dependendo da receita, alguns ingredientes variam, como açúcar mascavo, soja, cacau, guaraná em pó e levedo de cerveja.

Se você optar por seguir uma dieta sem a ração humana pode, simplesmente, comer o mais brasileiro dos pratos (arroz, feijão, carne e hortaliças) e terá uma refeição mais completa que a ração humana. É que com essa combinação, você conseguirá incluir todos os grupos de alimentos (cereais, leguminosas, proteínas, gordura, legumes, verduras e frutas) em um mesmo prato.


Imprimir Enviar a um amigo