Mais Barato PROTESTE: Utilize nosso plugin e garanta os menores preços, nas melhores lojas!

Azeite que nós reprovamos agora está proibido

A Anvisa proibiu a distribuição e a venda de um lote do azeite extravirgem Lisboa. Isso só reforça a credibilidade de nossos testes com esse alimento.

13 junho 2017 |
azeite Lisboa

Em abril deste ano, nosso teste com azeites extravirgens mostrou que, entre 24 marcas, seis não eram recomendadas para a compra. E uma delas era o Lisboa. Após diversas avaliações, descobrimos que esse produto estava adulterado. Ou seja, estava adicionado de outros óleos vegetais. Além disso, nossa análise sensorial mostrou que se tratava de um azeite lampante – tipo que não deve ser usado na alimentação. Na ocasião, indicamos aos consumidores que não comprassem essa marca e ainda alertamos às autoridades competentes sobre o problema, pedindo que fossem tomadas providências.

Nesta segunda-feira (12 de junho), tivemos uma grata surpresa: a Anvisa publicou, no Diário Oficial, uma resolução proibindo a distribuição e a comercialização do azeite Lisboa, lote 26454-361 (válido até 23/05/2019), em todo o Brasil. Isso se deu após a agência receber um laudo solicitado ao Instituto Adolfo Lutz, mostrando que esse produto obteve resultados insatisfatórios por apresentar características sensoriais, perfil de ácidos graxos, determinação de ácidos graxos monoinsaturados, determinação de ácidos graxos poli-insaturados e pesquisas de matérias-primas estranhas acima das faixas recomendadas para um legítimo azeite de oliva extravirgem. Vale lembrar ainda que o Ministério da Agricultura também divulgou, em abril, os resultados de testes de qualidade com o Lisboa, reprovando três lotes desse azeite.

A decisão atual só comprova a seriedade com que nossas análises são feitas, além, claro, da total credibilidade de nossos testes. “A medida adotada pela Anvisa vem ao encontro do que foi apontado por nós, uma vez que, em nosso mais recente teste, o azeite Lisboa foi uma das marcas reprovadas, motivo pelo qual recomendamos que o consumidor não consuma o produto”, comemora Sonia Amaro, supervisora institucional da PROTESTE. Por isso, fique sempre de olho nos resultados de nossos testes comparativos. E, para não ser mais enganado, veja aqui os outros azeites que não valem a pena ser levados para casa.


Gostou deste conteúdo? Cadastre-se agora e receba gratuitamente informações da PROTESTE! Se você é associado e precisa de ajuda, ligue para nosso Serviço de Defesa do Consumidor pelo 0800 282 2204 (de telefone fixo) ou (21) 3906-3900 (de celular).

Leia também

alimentação
prato
s7
img-plano-saude1

Deixe seu comentário()

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.