Notícia

Peixe bom ou ruim na peixaria ou na feira

23 março 2007

23 março 2007

Visitamos 18 pontos de venda de peixe fresco e o resultado de nossos testes, em geral, foi bom. Mas é preciso ter cuidado na hora da compra.  

Com a aproximação da Páscoa, decidimos analisar as condições em que os peixes frescos estavam sendo oferecidos aos consumidores. Para realizar o estudo, visitamos seis hipermercados, cinco barracas de feira livre, cinco peixarias e dois supermercados na cidade de São Paulo. O intuito era checar as temperaturas em que a corvina e a pescada, os peixes mais consumidos pelos brasileiros (segundo o IBGE), estavam sendo vendidos, assim como traçar um cenário de frescor e de higiene desses peixes.

Uma das principais causas da degradação dos peixes frescos é a contaminação por bactérias que se multiplicam rapidamente em temperaturas altas. O ideal seria que os peixes fossem vendidos em torno de 4°C. Em temperaturas abaixo de zero, eles congelam. Em temperaturas mais altas, estragam. Mais uma vez, como já é rotina em nossos estudos envolvendo produtos que pedem condições térmicas especiais para sua conservação, a temperatura dos estabelecimentos estava inadequada. Em duas peixarias (Angélica e Pacífico) encontramos peixes sendo vendidos em temperaturas acima dos 13ºC.

Nas análises laboratoriais, encontramos coliformes fecais no produto vendido pelos Pescados Iguatemi, o que denota uma falha de higiene. Além disso, encontramos também listéria (nos peixes vendidos pelo Carrefour da Saúde e Peixaria Uo-Katsu) e salmonela (Carrefour da Vila Andrade), ambos microrganismos passíveis de causar infecções e intoxicações alimentares. Porém, diante dos resultados encontrados em estudos com peixes frescos realizados por associações de defesa do consumidor na Europa, nossos resultados foram bons, devido à perenidade desse alimento.

Quanto aos preços, nossa pesquisa constatou que a pescada custa, em média, o dobro da corvina. As peixarias venderam os peixes mais caros, enquanto as feiras livres os mais baratos.

Como o frescor dos peixes depende muito das condições de conservação, veja no vídeo
(assista ao vídeo) como melhor escolher o peixe que estará em sua mesa nessa Páscoa.


Imprimir Enviar a um amigo