Especial

Ovo de Páscoa: só a partir de quatro anos

01 abril 2009

Não há marcas próprias para crianças muito pequenas e consumo deve ser moderado. A escolha certa custa a metade do preço de alguns produtos.

A PROTESTE reivindica

Encontramos açúcar e gorduras demais em todos os ovos de Páscoa que avaliamos. Isso é grave por se tratar de um produto muito consumido por crianças e adultos, ainda que seja consumido em apenas uma época do ano.

Os consumidores não podem ser induzidos a erro, principalmente quanto às informações nutricionais do chocolate.

Queremos limites máximos de açúcar e gorduras

Por isso, a PROTESTE deu conhecimento para a Anvisa do teste realizado e pede seja revisto o regulamento técnico para chocolate e produtos de cacau. Hoje, ele não define o teor máximo de açúcar e de gordura, parâmetros importantes em produtos como o chocolate.

Rótulo do brinquedo na embalagem do ovo

Além disso, é necessário que o Inmetro crie uma regulamentação específica para padronizar as informações, de forma a facilitar a leitura.

A PROTESTE já solicitou que no rótulo seja informado que o ovo tem um brinquedo certificado, com indicação da faixa etária. Além disso, o selo de certificação deverá constar na embalagem do brinde.

Também foi solicitado ao Inmetro e a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) que estabeleçam normas e testem ruído nos brindes que emitam sons. A corneta que veio em um dos ovos, por exemplo, alcançou 120 decibéis em nossa medição, quando o máximo recomendável são 70 decibéis.

A PROTESTE já notificou ao Inmetro os problemas encontrados nos rótulos dos ovos com brinquedos, solicitando que estes produtos sejam retirados do mercado.


Imprimir Enviar a um amigo