Notícia

Cuidado com cachorro-quente de rua

14 julho 2010

14 julho 2010

PROTESTE e COVISA encontraram contaminação em 26,6% dos cachorros-quentes analisados durante pesquisa. Saiba como evitar os problemas.

Fique bastante atento ao comprar cachorros-quentes na rua, pois as chances de você ingerir um alimento contaminado são altas. Essa é a conclusão de um estudo realizado entre janeiro e março de 2010 acompanhado pela PROTESTE e realizado pela Coordenação de Vigilância em Saúde do Município de São Paulo (COVISA) com 30 vendedores da capital paulista. Quase um terço dos produtos estava contaminado.

Você pode sofrer intoxicação alimentar

De maneira geral, os produtos condenados tinham contaminação por material fecal e que podiam ainda causar intoxicação e/ou infecção alimentar. Vômitos, diarreia, dores abdominais e febre são alguns dos sintomas que quem ingere esses alimentos contaminados pode apresentar.

A contaminação foi indicada pela presença, nos cachorros-quentes, dos seguintes microrganismos:

  • Coliformes fecais e Escherichia coli
  • Estafilococos coagulase positiva
  • Clostrídio sulfito redutor

A PROTESTE e a COVISA defendendo você

A COVISA informou que o resultado da pesquisa ajudou na elaboração de novas estratégias frente ao resultado observado. Uma delas é a convocação para os cursos de Boas Práticas de Alimentos, direcionados aos manipuladores (mesmo os que já tenham realizado). Além disso, a entidade vai fazer análises microbiológicas nas mãos dos manipuladores dos alimentos contaminados.  

Veja abaixo como você pode identificar os vendedores de cachorro-quente que apresentam boas práticas de higiene.

Como foi realizado o estudo

O estudo foi realizado por meio da aplicação de questionários aos 30 comerciantes para avaliar as condições de higiene dos pontos de venda e coleta de 30 amostras de cachorro-quente para análise microbiológica, realizadas no Laboratório de Saúde Pública da COVISA.


Imprimir Enviar a um amigo