Veja todas as publicações da PROTESTE em seu celular ou tablet!

Governo prepara mudanças nos juros do rotativo do cartão de crédito
Embora sejam bem vindas, mudanças não são suficientemente capazes de ajudar consumidores endividados. Taxa segue como a maior do mercado!
27 abril 2018 |
rotativo-cartao-credito

O cartão de crédito é o principal vilão sobre o endividamento das famílias brasileiras e muito disso se deve ao rotativo.

Existem duas formas de entrar no rotativo do cartão de crédito, Uma é quando paga-se somente o mínimo (15%) do cartão apontado na fatura  e a outra é quando não ocorre nenhum tipo de pagamento, Normalmente, os juros que incorrem dessa segunda forma são superiores ao da primeira.

A novidade é que agora, os bancos estão proibidos de cobrar juros maiores no rotativo de quem não consegue pagar o total da fatura. Nesse caso, os juros estão limitados à taxa de juros cobrada quando o consumidor paga o valor mínimo da fatura do cartão de crédito.

Essa é uma das medidas anunciadas pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) para tentar frear os já conhecidos juros exorbitantes do cartão de crédito.

As mudanças começam a valer a partir de 1º de junho, cerca de um ano após entrarem em vigor as novas regras para o uso do rotativo do cartão de crédito.

O que muda de fato?

- Haverá uma limitação dos encargos em caso de atrasos;

- É o fim do pagamento mínimo de 15% do total da fatura, fazendo com que esse percentual passe a ser definido pela operadora, de acordo com o tipo de cartão, a política de crédito de cada banco e levando em conta o perfil do cliente;

- Criação de limites para os juros cobrados dos inadimplentes.

Saiba qual o melhor cartão de crédito para o seu perfil

Qual é o nosso posicionamento sobre as mudança?

A PROTESTE avalia que, diante das altas taxas de juros referentes ao rotativo do cartão de crédito, qualquer medida que beneficie o consumidor é bem-vinda, sobretudo no que tange a redução desses valores.

Embora pareça que, num primeiro momento, a redução dessa taxa seja representativa para os consumidores, a medida em si não é suficientemente capaz de ajudar o consumidor endividado

Por exemplo, considerando a média dos juros de não pagamento de 416,8% ao ano e 338,2% ao ano quando se paga o mínimo, com a nova regra, os juros médios do rotativo estariam limitados a 338,2% ao ano, ou seja ainda muito altos.

Dessa forma, considerando os valores da média acima, uma dívida no cartão de R$5 mil que não foi paga, no mês seguinte ela já estará valendo R$5.733,42. Com a mudança implementada esse valor cairia para R$5.655,13, ou seja, ainda bastante elevado.

Mesmo frente a essa diminuição, o rotativo continua sendo o crédito mais caro de mercado, devendo ser evitado ao máximo.

Portanto, para que não se caia mais nessa armadilha, indicamos o uso do crédito pessoal, que possui juros bem menores.

Empréstimo pessoal online com as menores taxas do mercado? Clique aqui e aproveite!

Gostou deste conteúdo? Cadastre-se agora e receba gratuitamente informações da PROTESTE! Se você é associado e precisa de ajuda, ligue para nosso Serviço de Defesa do Consumidor pelo 0800 282 2204 (de telefone fixo) ou 4003-3907.

Leia também

taxa-juros
consignado-cartao
cartao-de-loja
minimo-cartao

Deixe seu comentário()

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.