Notícia

Empréstimo fácil custa caro

26 julho 2012

26 julho 2012

Quanto menos exigências o banco ou a financeira faz, maiores serão os juros cobrados no seu crédito.

A facilidade tem seu preço. Quanto menos exigências uma instituição financeira faz para conceder um empréstimo, maior a possibilidade de esse negócio ter altíssimo custo para você. Avaliamos novamente os juros e outras taxas do crédito pessoal e constatamos que o mais alto custo efetivo total (CET) é o das financeiras.

Diferentes modalidades no mercado

O crédito pessoal é uma das modalidades de empréstimo que não depende de o pretendente ter um objetivo específico. O montante máximo liberado vai depender da análise de cada cliente e o prazo máximo para quitar o financiamento, em geral, é de 48 meses, mas pode chegar a 60 meses (Losango). Porém, é bom que você se lembre que, quanto maior o prazo, maior o montante referente a juros que será devido.

Existem diferentes opções de crédito pessoal no mercado. A tradicional é a modalidade em que o cliente vai até a sua agência e negocia as melhores condições com o gerente. Quando a proposta é aceita, o consumidor assina um contrato de empréstimo e fica com uma cópia do contrato.

Mas também há o crédito rápido e pré-aprovado, no qual não existe margem de negociação, já que essa modalidade trabalha com limite e condições preestabelecidos. Em geral, pela “facilidade” com que se consegue esse dinheiro, os juros são superiores do que se você for tentar uma negociação no banco. O prazo também tende a ser menor.

Vale a pena você pesquisar o CET em diversas instituições antes de contratar e tentar barganhar com o gerente de sua conta.

Mais que o dobro do valor em juros

As financeiras, em geral, têm CET mais alto. Enquanto nos bancos, de quem já consideramos altas as taxas, o CET não passa de 150% ao ano, nas financeiras esse patamar supera os 200% e pode chegar a mais de 400%. Em resumo, você deve ter muita atenção com as propagandas de dinheiro rápido e sem burocracia: o custo disso tudo é péssimo para o seu bolso. Na BV Financeira, que tem maior CET nas condições avaliadas, um empréstimo de  R$ 2 mil vai lhe custar, no final de um ano, R$ 4.392 – mais que o dobro do valor tomado, só de juros.

Lembre-se de que sempre é bom tentar quitar antecipadamente o débito ou pelo menos algumas parcelas. Essa é uma forma de diminuir o montante a ser pago com juros. Mas atenção: a instituição não pode lhe cobrar qualquer taxa especial para quitar seu débito.

Outra coisa que a instituição não pode fazer é negar o empréstimo pessoal sem lhe dar uma explicação. Para um banco negar seu pedido, a recusa deve estar ligada ao fato de você ter possibilidade ou não de quitar a dívida a ser contraída. E a instituição financeira é sempre obrigada a indicar o motivo da recusa do crédito – simplesmente responder “não” é proibido.


Imprimir Enviar a um amigo