Notícia

Financiamento de automóvel: não considere somente os juros

28 maio 2015
carro

28 maio 2015

Para saber quanto você realmente vai pagar por um carro em um financiamento de automóvel, precisa descobrir o Custo Efetivo Total do financiamento.  Ele nem sempre é divulgado, mas você deve exigi-lo.

Se você está pensando em financiar um carro lembre-se de que tão importante quanto escolher o modelo é descobrir quanto você vai pagar realmente pelo veículo. Para chegar a esse valor, não basta conferir os juros e a parcela. É preciso saber quanto será o Custo Efetivo Total (CET) de seu financiamento.


CALCULE O FINANCIAMENTO DO SEU CARRO


Ele engloba diversas taxas, além dos juros, que envolvem a operação de crédito, como Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), tarifa de cadastro e seguros. Porém, a maioria dos bancos e concessionárias não divulgam esse custo, embora seja um direito seu saber. Portanto, o melhor caminho para encontrar o automóvel que você tanto sonha, e que possa pagar, é pesquisar o CET.


Confira o comparativo que fizemos entre as condições ofertadas por bancos dos fabricantes de veículos e bancos comuns, usando como critério os valores de CET. Neste caso os resultados pesquisados retratam o mercado de vendas do Rio de Janeiro.

No CDC, veículo sai em seu nome

Escolhemos como modalidade de financiamento o Crédito Direto ao Consumidor (CDC), o mais comum para a aquisição de veículos. Com o CDC, você adquire o carro em seu nome, embora ele fique alienado ao banco, ou seja, sirva de garantia em caso de inadimplência.


Ao procurar um financiamento para o veículo que deseja comprar, recomendamos que você ofereça uma entrada. Quanto maior for esse valor, maiores serão suas chances de negociar descontos e facilidades.


Se você optar por um banco comum, este irá depositar o valor cheio do veículo na sua conta e, assim, você poderá negociar um preço mais baixo na concessionária, já que pagará à vista.


O importante é você ter disposição para percorrer diversas concessionárias e bancos. Isso porque, em nosso estudo, encontramos vários exemplos de diferença entre valores de venda e CETs para o mesmo veículo em lojas distintas.


Ao optar pelo financiamento de um Onix LT 1.0 2015/2015, de R$ 39.990, com 40% de entrada, você teria um CET anual de 22,87% e uma parcela de R$ 1.217 na concessionária da Chevrolet do bairro de Copacabana.


Agora, ao escolher o mesmo modelo na loja de Botafogo, com as mesmas condições de pagamento, o CET alcançaria 28,97% ao ano e sua prestação ficaria em R$ 1.272.


A melhor saída para esse caso, conforme nosso levantamento, seria financiar por meio do HSBC, onde o CET encontrado foi de 21,15% ao ano e a parcela mensal, R$ 1.213.


Para esse modelo de veículo, o CET mais alto que pesquisamos foi o do Bradesco (35,94% a.a), com o qual você pagaria  R$ 3.401,28 a mais ao final do financiamento, em relação ao HSBC.


Valor mais baixo pode ocultar CET alto

Se sua intenção fosse financiar um Ka SE Plus 1.0 na concessionária Ford de Botafogo, com valor de R$ 39.900, com entrada de 40% em 24 parcelas, o CET anual seria de 13,63% e, mensalmente, você pagaria R$ 1.163. Caso prosseguisse sua pesquisa de preços e taxas na loja da Ford na Barra da Tijuca, encontraria o mesmo modelo por R$ 39.500.


Num primeiro momento, essa oferta seria mais atraente, até descobrirmos o CET anual: 25,46%. Logo, ao término do financiamento, você arcaria com R$ 1,8 mil a mais se optasse pela loja da Barra.


Esse é um ótimo exemplo de que o valor anunciado para o carro não deve ser o principal critério de comparação, já que o veículo mais barato tinha o CET quase 12 pontos percentuais mais alto.


Entre os bancos comuns, vimos uma grande variação de CETs, que pode chegar a 19,5 pontos percentuais para o financiamento do Move Up! da Volkswagen, em 48 vezes, por exemplo. De qualquer modo, eles ofereceram melhores condições em relação aos bancos das montadoras, com destaque para o HSBC, que propôs o menor CET para os quatro modelos que simulamos.


É possível ainda que você consiga negociar taxas e CET ainda mais vantajosos que os divulgados aqui. Portanto, continue pesquisando. Faça simulações nos sites dos bancos e negocie vantagens com seu gerente.


Lembre-se do IPVA e da manutenção

Antes de fechar negócio, é fundamental que você reflita se tem mesmo condições de assumir essa dívida. Afinal, terá outros custos para bancar, além da prestação, como Imposto sobre Veículos Automotores (IPVA), seguro, combustível e manutenção.  Por isso, evite comprometer mais do que 30% de sua renda com o financiamento do veículo.


Se estiver certo de sua decisão, lembre-se de que também pode economizar com a burocracia que envolve a assinatura do contrato e o registro do veículo. As concessionárias oferecem serviços de despachantes para providenciar licenciamento, IPVA e seguro obrigatório.


Contudo, você mesmo pode cuidar disso. Verifique junto ao Departamento de Trânsito (Detran) de seu estado os valores das taxas e como proceder para regularizar o veículo.

Gostou deste conteúdo? Cadastre-se agora e ganhe acesso ao conteúdo exclusivo que reservamos para você!



Imprimir Enviar a um amigo