Notícia

Inadimplência e altos juros: tudo a ver

13 janeiro 2012

13 janeiro 2012

Com cobrança podendo chegar a 900%, créditos para o consumidor propiciam elevadas taxas de insolvência e dívidas impagáveis.

Para evitar dívidas crônicas e irreversíveis, pense duas vezes antes de optar pelo crédito rotativo no Brasil, país que tem os juros mais elevados do mundo nessa modalidade vinculada ao cartão de crédito, segundo a Proteste.

Nossas pesquisas mostraram também que as taxas de juros do crédito rotativo podem chegar a inacreditáveis 600% em algumas financeiras e a 900% para o custo do saque através do cartão de crédito.

Na modalidade crédito pessoal detectamos os mesmos abusos. As financeiras ofertam ostensivamente crédito fáceis e rápidos ao consumidor, sem informar que a taxa de juros que ele vai pagar pela facilidade é de mais de 400%.

Ou seja, o consumidor é inundado de ofertas de dinheiro fácil a custo de 400% a 900% ao ano. Como taxas nesses níveis certamente não conseguirão ser pagas, o indivíduo que recorre a esses créditos, seja pela falta de opção ou pela falta de informação completa e precisa, adquire uma dívida impagável. Entrar em uma dívida de juros de 900% é certamente um tiro no pé, pois não se consegue mais sair dela.

As consequências naturais desses juros abusivos são elevadas taxas de inadimplência por parte do consumidor, as quais subiram 22,3% em 2011, em relação ao ano anterior -apresentando a maior alta desde 2002, de acordo com pesquisa da Serasa Experian divulgada nesta semana.

Por isso, o alerta que sempre fazemos é para que os consumidores não caiam nessa armadilha de crédito rápido e fácil. Pegue crédito emprestado apenas quando isso for estritamente necessário e nunca deixe de pesquisar os menores juros.

Entretanto, não podemos nos esquecer da responsabilidade social das instituições e do seu papel de ofertar crédito de maneira consciente, assim como de nossa responsabilidade de denunciar abusos cometidos contra os consumidores, exigindo que essa situação seja revertida. Afinal, nada justifica sustentarmos patamares tão elevados.


Imprimir Enviar a um amigo