Notícia

Juros estão cada vez mais altos

06 agosto 2014

06 agosto 2014

Obter um empréstimo por meio do crédito pessoal está ainda mais caro. A proposta de dinheiro fácil e sem burocracia pode ter um o custo péssimo para o seu bolso. 

Enviamos questionários às maiores instituições financeiras que trabalham com linhas de crédito pessoal. Recebemos retorno do Banco do Brasil e da Cacique. Para informações sobre as demais, coletamos dados em seus sites, entramos em contato por telefone e visitamos agências. Também levamos em conta resultados obtidos em nossa pesquisa sobre satisfação bancária, realizada entre novembro e dezembro de 2013.


Nosso estudo revelou que grande parte das financeiras e dos bancos avaliados aumentou, e muito, as taxas de juros dos últimos anos. O ideal é que você não considere esse tipo de empréstimo como uma boa saída. Mas, se você não tiver opção, é preciso cautela ao contratá-lo e atenção para não cair em armadilhas.


Estar de olho no Custo Efetivo Total (CET) é o primeiro passo para quem pretende adquirir qualquer empréstimo. E quanto menor o CET, maior será a sua economia.


Os juros referentes ao crédito pessoal em alguns bancos, assim como na maioria das financeiras analisadas, deram grandes saltos em comparação ao nosso último teste. Veja as mudanças:

Com o crescimento da taxa Selic, é natural que esses valores sofram alterações, mas o que não entendemos é por que os juros já altíssimos continuam a subir.


O crédito pessoal é concedido de acordo com a renda e a movimentação bancária do correntista. Para ter acesso ao dinheiro, não é preciso dar explicações sobre o que será feito com ele. Pela Internet ou pelo caixa eletrônico, basta clicar na oferta, escolher o número de parcelas a serem pagas e pronto, o dinheiro cai automaticamente na conta.


Essa facilidade acaba sendo bastante tentadora para o consumidor. Porém, lembre-se: o crédito é um recurso que deve ser usado somente em momentos de aperto. Evite-o ao máximo.


É mais vantajoso poupar e pagar à vista, uma vez que você fica livre dos juros e ainda pode negociar um desconto junto à loja. E se a ideia é pegar um empréstimo para pagar outro, está na hora de rever todos os seus gastos.


A Caixa foi a melhor opção para os quatro cenários do nosso teste. Embora o Santander tenha apresentado o menor CET para três deles, o banco não foi considerado a escolha certa, já que desapontou na pesquisa de satisfação realizada junto aos consumidores.


Imprimir Enviar a um amigo