Notícia

Furadeiras melhoram a segurança elétrica

29 julho 2014

29 julho 2014

A boa notícia é que os fabricantes melhoraram a segurança elétrica desses produtos em relação ao teste de 2005. Porém, todas são muito barulhentas e continuam com o cordão de alimentação devendo no comprimento.

No último teste realizado pela PROTESTE a maioria das furadeiras foram eliminadas por que ofereciam risco de causar choque. E após o novo teste os resultados foram positivos, encontramos bons aparelhos no mercado, a um preço acessível, embora ainda sejam muito barulhentos.

Na avaliação de desempenho verificamos quanto tempo os produtos levam para furar superfícies de madeira e de metal, na seleção de rotação, e tijolos, na função de impacto, em que o usuário deve "golpear" repetidamente a área a ser perfurada. Confira os resultados:

Teste com madeira do tipo cedro: os aparelhos levaram entre 1,37 segundos (Skil) e 3,27 segundos (De Walt, a única que ultrapassou os 3 segundos).

Teste com metal: a Skil demorou 13 segundos para finalizar a tarefa, enquanto a Bosch precisou de 28,7. A De Walt ficou em segundo lugar, com 18,05.

Teste com tijolos: A Good Year demorou apenas 8,12 segundos para realizar a tarefa. Já a De Walt levou quase três vezes mais tempo: 23,25 segundos. A Skil furou os tijolos em 13, 23 segundos, perdendo ainda para a Schulz (11,82) e a Black & Decker (12,10).

Na avaliação de facilidade de uso, o que diferenciou as furadeiras foi à disposição e organização dos itens nas maletinhas que as acompanham, facilitando a montagem para o próximo uso. 

As marcas 
Black & Decker, Skil e Schulz vendem suas furadeiras em maletinhas nas quais o aparelho fica bem acondicionado, trazendo chave do mandril fixada no cabo da furadeira, empunhadeira auxiliar e limitador de profundidade.

O ponto negativo de todas as furadeiras é o barulho, ultrapassando os 85 decibéis que consideramos o limite máximo ideal. A dica da PROTESTE é proteger seus ouvidos – com algodão ou com um protetor auricular específico – para evitar danos à sua audição. E ainda, outro problema é o cabo de alimentação com o antigo problema de tamanho, o ideal seria que tivesse entre 2 e 2,5 m, porém somente duas marcas, Good Year e Black & Decker, tinham os 2 metros de cabo. 

Sobre a durabilidade os modelos com o eixo principal sustentado por dois rolamentos são menos suscetíveis à falha por estresse do que as que possuem apenas um ou que trazem embuchamento.

Porém, das seis furadeiras testadas, duas trazem eixos com embuchamento (Black & Decker e Schulz). Apenas a Skil apresenta o eixo com dois rolamentos, o que a deixa mais resistente, até mesmo para furar concreto, pois evita o movimento do mandril.

Outras características positivas da Skil é que ela não necessita de chave de mandril para a troca de brocas e – assim como os modelos Bosch, De Walt, Schulz e Good Year – a chave liga/desliga tem controle de velocidade com ajuste externo, o que ajuda a manter a velocidade constante do equipamento durante o trabalho.

Por fim, segundo a avaliação da PROTESTE o modelo considerado "melhor do teste" e "escolha certa" foi a furadeira Skil 6070. Possui durabilidade muito boa e apresentou o melhor desempenho para furar superfícies. E ainda, vem com uma maleta que armazena bem as peças e o preço de mercado é R$ 189,99 a R$ 299,00.

O modelo Skil 6070 possui durabilidade muito boa e apresentou o melhor desempenho para furar superfícies.

Imprimir Enviar a um amigo