Notícia

Descubra se vale a pena pedir adiantamento da restituição do Imposto de Renda

17 abril 2017
imposto-de-renda-1

17 abril 2017

Restituição confirmada e grana curta com a crise. Cenário ideal para que bancos ofereçam linhas de crédito para antecipar o dinheiro. Mas, veja aqui por que isso pode não ser vantajoso para você.

imposto-de-renda-2 

Feita a Declaração de Imposto de Renda, é muito bom saber que há restituição para receber. O problema é que você não consegue ter certeza de quando vai poder contar com esse dinheirinho extra no bolso, embora a Receita divulgue, antecipadamente, as datas dos lotes de pagamentos das restituições. Além disso, como a grana anda muito curta em tempos de crise, muitos bancos se aproveitam para lançar linhas de crédito especializadas em antecipar a sua restituição de Imposto de Renda. Mas, será que vale a pena?

Para descobrir isso, fomos aos principais bancos do país (Banco do Brasil, Banrisul, Bradesco, Caixa, Citibank, Itaú e Santander) para pesquisar o CET (Custo Efetivo Total) cobrado nessas linhas de crédito, considerando uma antecipação de restituição no valor de R$ 5 mil. Quatro bancos (Banrisul, Bradesco, Caixa e Citibank) não informaram o CET, que é a taxa que reflete o custo real do crédito porque não leva em consideração só a taxa de juros e sim todas as que possam estar envolvidas na operação.

O Citibank não informa a taxa de juros no site nem pelo atendimento telefônico; e o Banrisul só informa a taxa de juros por meio atendimento telefônico. Por outro lado, Banco do Brasil, Itaú e Santander informaram o CET. Entre eles, o mais em conta foi o Banco do Brasil (51,81%), seguido pelo Santander (85,64%); e pelo Itaú (96,57%).

imposto-de-renda-3

Ao se comparar apenas as taxas de juros, o único banco que possivelmente poderia cobrar menos seria a Caixa. Isso porque divulga uma taxa de juros para essa linha de crédito de antecipação da restituição de Imposto de Renda a partir de 2,82% a.m., o que na ausência de outros custos poderia significar um CET anual de 39,61%. No entanto, não há como se afirmar que o CET seja esse para o valor, assim como também que não existam outros custos. Com isso, de acordo nosso levantamento, verificamos que o Banco do Brasil apresentou o custo mais reduzido para esse cenário.

Mas, ainda assim, vale a pena recorrer a essa linha de crédito, no caso de uma emergência? Levando em conta os custos de um crédito pessoal clássico, de acordo com o nosso último teste comparativo de junho de 2016, a nossa escolha certa apresentou um CET anual de 67%. Sendo que a média para essa modalidade de crédito é bem superior às taxas encontradas na antecipação da restituição, que giram em torno de 150% a.a.. Dessa forma, conforme essa comparação, a antecipação é mais vantajosa.

Porém, fique atento porque isso só é válido, caso você não tenha acesso ao crédito consignado. Ainda assim, vale o alerta: essa modalidade é uma opção apenas em caso de uma emergência ou de necessidade de ter que pagar uma dívida atual. A recomendação é não contar com esse dinheiro antes de ele estar com você. Ou seja, não se endivide. 



Gostou deste conteúdo? Cadastre-se agora e receba gratuitamente informações da PROTESTE! Se você é associado e precisa de ajuda, ligue para nosso Serviço de Defesa do Consumidor pelo 0800 282 2205 (de telefone fixo) ou (21) 3906-3800 (de celular).


Imprimir Enviar a um amigo