Notícia

Fundos de RF índices perdem para inflação

20 agosto 2013

20 agosto 2013

Veja por que os fundos de renda fixa índices não acompanharam a inflação nos últimos doze meses. E saiba qual a previsão para os próximos meses sobre as melhorias na performance desta categoria. Confira:

Entre as subclassificações de fundos de renda fixa, existe a renda fixa índices - uma categoria de fundos que se propõe a seguir ou superar indicadores de desempenho conhecidos como benchmarks. Entre os diferentes indicadores de desempenho que os fundos podem seguir, estão os índices inflacionários.

Para o investidor tem sido um desafio obter rendimentos em aplicações financeiras que superem a perda causada pela inflação. E com os fundos RF índice não tem sido diferente. Por isso, a PROTESTE realizou um levantamento entre os fundos de renda fixa índice no qual o público alvo seja os investidores em geral nos respectivos períodos: últimos doze meses; últimos seis meses; últimos três meses e último mês. 

Para começar, consideramos as análises da subclassificação dos últimos doze meses. Neste período, verificamos que somente dois fundos mantiveram o poder aquisitivo do investidor, entretanto seria necessário a permanência no fundo por um período superior a seis meses, devido a diminuição da alíquota de imposto de renda. Vale ainda destacar o elevado valor da aplicação mínima desses dois fundos, na faixa de R$ 20 mil e R$ 5 mil.

Segundo o levantamento, no período dos últimos seis meses o rendimento foi ainda pior por que nenhum fundo RF índice conseguiu superar a inflação, causando aos investidores perda de poder aquisitivo.

Já em relação ao período dos últimos três meses, a situação começa a melhorar. Principalmente pela visível desaceleração do processo inflacionário no período. Desta forma, sete fundos conseguem fazer o investidor ser compensado pela perda da inflação. As aplicações mínimas continuaram altas, porém desta vez existem opções mais acessíveis, variando entre R$ 1 mil e R$ 100 mil.

No levantamento feito no último mês, verificamos a queda da inflação ainda mais acentuada contribuindo para o melhor desempenho desses fundos. O número de fundos superiores a inflação passaram de 33 e a aplicação mínima inicial varia de qualquer valor até R$ 5 milhões.

Com base no estudo podemos concluir que o desempenho não tem sido animador, já que, ao contrário de outros tempos, não encontramos muitas opções de rentabilidades atrativas. Hoje em dia ganhar da inflação já é considerado um grande diferencial. 

Diante desta realidade percebemos que nos últimos meses a desaceleração da inflação gerou um melhor desempenho dos fundos por conta do aumento da taxa de juros e como consequência aumentou a rentabilidade. Por isso, acreditamos para os próximos meses na tendência de melhoria na performance dessa subclassificação e que os fundos RF índices voltem a cumprir o seu papel.


Imprimir Enviar a um amigo