Notícia

Pirâmide financeira: fraude do dinheiro fácil

28 outubro 2014

28 outubro 2014

Não caia nesse esquema financeiro ilícito. Quase sempre, a promessa de lucro vira pesadelo.

“Dinheiro Fácil”, “Ganhe sem sair de casa”, “Ganhe dinheiro sem patrão”. Se você se deparar com esses anúncios, desconfie, pois provavelmente fazem parte da chamada pirâmide financeira. Nela, a promessa de ganhar dinheiro fácil frequentemente vira pesadelo, na forma de dívidas intermináveis.

Pirâmide funciona pelo recrutamento gradual de investidores novos

Forma ilícita e insustentável de gerar lucro, a pirâmide funciona por meio do recrutamento progressivo de pessoas, em que cada uma que entra gera ganhos para quem a trouxe. O objetivo desse esquema fraudulento é a remuneração elevada aos primeiros investidores, sempre à custa do dinheiro de quem ingressou depois.

Promessa de ganhos até inevitável falência do esquema

A pessoa faz um único pagamento e recebe a promessa de que ganhará consideráveis benefícios com a entrada de outros investidores. O problema é que, como não há um produto  ou bem competitivo sendo vendido, e o foco estar no recrutamento incessante de pessoas para os níveis superiores da pirâmide, em alguma hora a empresa para de crescer e o esquema fracassa.

Como resultado, os últimos associados sempre perdem o dinheiro investido, sem conseguir reavê-lo. No fim das contas, praticamente todos saem no prejuízo.

Possível lucro vem com desgraça de outros

É possível lucrar em esquemas de pirâmide e ganhar bastante dinheiro, razão pela qual este modelo vem ganhando popularidade. Mas, para que você lucre, o que já é pouco provável, isso virá às custas dos investimentos e dos sonhos de muitos outros associados, neste esquema fraudulento em que um só ganha se o outro perder.

Famosa fraude nos EUA movimentou US$ 65 bi

Casos famosos incluem os dos norte-americanos Charles Ponzi, considerado o precursor desse esquema, e Bernard Madoff, que movimentou um esquema de US$ 65 bi em Wall Street.

Na pirâmide mais conhecida do Brasil, 30.000 investidores perderem R$ 3,9 bilhões na empresa Fazendas Reunidas Boi Gordo, que prometia lucros com a engorda de bois, mas ganhava com a entrada de novos investidores.



Imprimir Enviar a um amigo