Notícia

É possível ganhar pouco e não fazer dívidas

08 março 2017
Consultor prot

08 março 2017

Rodrigo Alexandre, consultor do Gabinete de Apoio e Educação Financeira da PROTESTE, fala dos principais motivos do endividamento dos brasileiros e dá orientações valiosas para quem quer usar o dinheiro da conta inativa do FGTS para sair do atoleiro de dívidas. 

 Rodrigo e moça

Muitas pessoas pretendem usar o dinheiro da conta inativa do FGTS para quitar dívidas. Mas e no caso de o valor a sacar não cobrir o montante devido?
A prioridade é a quitação das dívidas, para evitar o crescimento dos juros e multas. Caso o valor não seja capaz de quitar o total da dívida, negocie uma amortização no valor total da dívida, observando a redução dos juros no pagamento antecipado. O FGTS inativo pode ser de grande ajuda, mas é preciso ter total conhecimento de sua dívida antes de aceitar qualquer proposta. Se souber exatamente o que deve, pode economizar muito dinheiro com o pagamento antecipado, evitando a cobrança de juros exorbitantes.

No caso de usar o FGTS para pagar dívidas, qual o critério que se deve adotar? 
O consumidor deve optar sempre pela quitação das dívidas que possuem a cobrança de juros mais altos, como cartão de crédito e cheque especial. Dívidas com essas linhas de crédito, em caso de inadimplências, podem se tornar uma bola de neve e a quitação, quase impossível.

Para aqueles que conseguirão quitar as dívidas com o FGTS, qual o conselho que você daria para que estes não voltem a se endividar?
O primeiro passo para esses consumidores é rever o binômio renda e gastos fixos, para readequar seu orçamento de maneira que sua renda consiga chegar ao final do mês sem entrar no vermelho. 

Você teria alguma dica?
Calcular os gastos, separando despesas básicas e fixas das supérfluas, lançar gastos e ganhos em uma planilha e fugir das compras impulsivas com cartão de crédito são algumas dicas.

Como consultor do Gabinete de Apoio e Educação Financeira da PROTESTE, quais os principais motivos de endividamento do brasileiro?
Os motivos vão desde o elevado índice de desemprego no Brasil a falta de planejamento do brasileiro. Outra razão grave é a facilidade do crédito indiscriminado oferecido pelos bancos, muito superior à capacidade de pagamento do consumidor. Isso acontece no limite de cartão de crédito, cheque especial, empréstimo pessoal etc.

Como o departamento vem ajudando aos associados a se livrarem das dívidas?
Damos auxílio e apoio a problemas de endividamento, relacionando-se à negociação de dívidas, analisando a situação de cada consumidor de forma específica. Mas o principal é tentar readequar o pagamento das dívidas de forma que caiba dentro do orçamento 

É possível ganhar pouco e, ainda assim, não fazer dívidas?
Claro! Basta ter uma educação financeira, planejamento e muita disciplina para que suas despesas não ultrapassem sua renda mensal. Assim, dá para viver sem o temor das dívidas impagáveis.

 

Gostou deste conteúdo? Cadastre-se agora e receba gratuitamente informações da PROTESTE! Se você é associado e precisa de ajuda, ligue para nosso Serviço de Defesa do Consumidor pelo 0800 282 2204 (de telefone fixo) ou (21) 3906-3900 (de celular).


Imprimir Enviar a um amigo