Notícia

Bate-papo PROTESTE sobre Previdência Privada

12 março 2010

12 março 2010

Para comemorar a Semana do Consumidor, a PROTESTE vai promover quatro chats com Maria Inês Dolci, nossa coordenadora institucional. Serão realizados quatro bate-papos, de terça a sexta-feira, sempre das 13h às 14h. Confira os temas que serão abordados a cada dia:

  • Direitos do Consumidor – 16/3
  • Cartão de crédito – 17/3
  • Telefonia celular – 18/3
  • Produtos perigosos – 19/3

Bate-papo PROTESTE sobre Direitos do consumidor

Bate-papo PROTESTE sobre Previdência

Pergunta de Lantis: Hoje eu declaro IR da forma simplificada. Mas comprarei um imóvel, trocarei de carro e terei filhos (e conseqüentemente terei despesas de plano de saúde e escola). Não seria mais vantajoso eu contratar uma previdência PGBL já que no futuro irei alterar a minha forma de declarar o IR de simplificada para completa?
Resposta PROTESTE: Lantis, irá depender do tempo que você irá concretizar seus planos, já que o PGBL para quem faz declaração simplificada é bastante desvantajoso. Caso você comece a fazer a declaração completa antes de um período superior a 15 anos, compensa mais você começar com um VGBL e depois contribuir por um PGBL. Gostaríamos de agradecer a participação de todos os internautas de mais um bate-papo PROTESTE. Você poderá conferir a íntegra do chat aqui em nosso site. Obrigada a todos.

Pergunta de Ricardo: Devo aproveitar o final do ano para investir em previdência privada?
Resposta PROTESTE: Sim. Mas precisa ser pela declaração completa e ser PGBL. Mas não se esqueça que o IR incidente sobre o PGBL é sobre todo o montante, enquanto que pro VGBL é somente sobre o rendimento. Por isso, não mude o tipo de declaração de imposto somente por causa do benefício fiscal, para não final não trocar gato por lebre.

Pergunta de Cristiane: Como saber qual é o melhor plano?
Resposta PROTESTE: A primeira decisão é saber se o plano deve ser PGBL ou VGBL. O PGBL é recomendado para quem faz a declaração de imposto de renda pelo formulário completo e o VGBL pelo simplificado. Além disso, o consumidor deve decidir por diferentes tipos de coberturas como renda vitalícia, extensão do benefício para dependentes em caso de morte e etc. Lembrando sempre que quanto mais abrangente for a cobertura cai o valor do benefício pago pela seguradora.

Pergunta de Tatiana: Você indicaria algumas empresas que são as melhores para contratar o plano de previdência privada?
Resposta PROTESTE: Não fazemos esse tipo de indicação. Mas periodicamente fazemos testes comparativos onde analisamos o mercado com objetivo de dar a melhor opção para o consumidor, dando o nome do fundo, a instituição que o administra, o valor das aplicações, as taxas envolvidas e a rentabilidade nos últimos anos. Para maiores informações consulte o nosso último teste na D&D 29.

Pergunta de Sandra: Como saber se o melhor investimento no meu caso é contratar uma previdência e não depositar o R$ na poupança (já que não tem custo de adm)?
Resposta PROTESTE: O investimento em previdência privada só vale a pena por um período de no mínimo 15 anos, justamente por essa questão de incidência das taxas de carregamento e pela tributação beneficiar quem fica por um período maior de tempo. Se não dispor desse tempo, é recomendável recorrer a um fundo de investimento cujas características em relação ao risco sejam similares.

Pergunta de Junior: A contribuição para previdência varia de acordo com a idade?
Resposta PROTESTE: Isso fica a sua escolha. Quanto mais cedo você começar, sua parcela mensal será menor, pois você contribuirá por mais tempo. Se você começar mais tarde, para conseguir uma renda razoável, precisará contribuir com mais.

Pergunta de Lana: Existe um limite máximo de idade para fazer um plano de previdência privada? Por exemplo, vale a pena uma pessoa de 50 anos fazer?
Resposta PROTESTE: Boa parte das entidades de previdência privada não estabelecem limite de idade para ingressar em um plano de previdência. Entretanto, aconselhamos um período mínimo de 15 anos de contribuição porque caso contrário, um outro tipo de investimento, provavelmente valerá mais a pena por não incidir taxa de carregamento.

Pergunta de Sophia Turano: Como escolho um plano de previdência privada? O que é mais importante observar?
Resposta PROTESTE: A primeira decisão é se você deve optar por PGBL ou VGBL, o que vai depender da sua declaração de Imposto de Renda. Além disso, você deve estar atento também à rentabilidade do fundo de previdência, às taxas (administração e carregamento). Preste atenção também ao prazo, que deve ser de pelo menos 15 anos.

Pergunta de Amanda: Com qual quantia posso começar uma previdência privada?
Resposta PROTESTE: Existem planos que até deixam o consumidor livre para colocar a quantia que quiser, mas nunca se esqueça que o seu benefício da aposentadoria dependerá do valor que você contribuir ao longo do tempo.

Pergunta de Joaquim: Qual a porcentagem do meu salário devo investir para conseguir duplicar meu rendimento no futuro?
Resposta PROTESTE: Não há uma regra para isso. Mas confira em nosso site o simulador de planos de previdência privada, que lhe permitirá a partir de valores de contribuição que você inserir, verificar qual será sua renda mensal vitalícia.

Pergunta de Poupador: Seria mais vantajoso contratar uma previdência revertida ao meu filho ou fazer uma previdência só com cobertura p/mim e abrir uma poupança para o meu filho?
Resposta PROTESTE: Não existem diferenças entre planos direcionados para aposentadoria e outros cuja finalidade seja juntar uma poupança para os filhos. Entretanto, fazer uma previdência na qual você seja beneficiário e seu filho seu dependente, considerando você contribuindo com o mesmo valor, resultará num benefício inferior, já que a cobertura é maior.

Pergunta de Jacob: Olá Verônica, obrigado por nos ajudar a entender melhor a previdência privada e escolher a melhor opção. Aproveito para fazer uma pergunta: posso começar a pagar uma aposentadoria para meu neto com 8 anos ?
Resposta PROTESTE: Jacob, existem várias opções no mercado, mas não se esqueça que, independentemente da finalidade (aposentadoria ou educação dos filhos), você precisará deixar o dinheiro investido por, no mínimo, 15 anos.

Pergunta de Marcos/DF: Eu preciso definir já quando vou passar a receber o benefício? Isso influi no valor que vou receber?
Resposta PROTESTE: Marcos/DF, é importante você ter uma idéia da data da aposentadoria para ter melhor noção de qual valor seria bom aplicar ao longo do período de contribuição.

Pergunta de Fernanda: Como saber qual o melhor plano de previdência para mim? Existe algum simulador que me auxilie no site da Proteste?
Resposta PROTESTE: Fernanda, a primeira providência é saber se você deve optar por PGBL ou VGBL, que irá depender do tipo de declaração do tipo de renda que você faz. Depois, você deve estar atenta à rentabilidade dos fundos que o plano investe, assim como às taxas - que você pode conferir em nosso último teste, na edição 29 da revista Dinheiro & Direitos. E sim, temos um simulador, que você pode acessar em www.proteste.org.br.

Pergunta de Anibal: Eu depositei no "Bradesco vida e previdência" desde julho de este ano R$20.000 no plano BRADESCO VGBL V40/30 (cobrando 1% taxa de carregamento). Até agora não parece muito melhor que a poupança e segundo eles a partir de R$1345,00 de rendimento começaria pagar IR. Não sei se seria melhor escolha comprar um lote em um lugar em crescimento urbano para construir e alugar. O que acharia mais rentável? Continuar no mesmo plano, mudar de plano ou comprar um lote?
Resposta PROTESTE: Anibal, a previdência privada é um investimento que privilegia o longo prazo. Para períodos curtos, realmente sai perdendo para algumas aplicações, podendo, inclusive, perder para a poupança, já que existe a incidência de taxas de carregamento, que não é presente em outras aplicações. Em relação ao IR, você só deverá pagar ao resgatar o benefício, e como fez VGBL, incidirá apenas sobre o rendimento.

Pergunta de Lehman Brothers: E se a seguradora ou banco passar por dificuldades?
Resposta PROTESTE: Esse risco realmente acontece, ainda mais porque os fundos de previdência ainda não são blindados. Entretanto, o risco é pequeno porque todas as empresas de Previdência Privada são obrigadas a constituir reservas técnicas garantidoras do pagamento dos benefícios futuros de seus participantes. Essa reserva técnica é acompanhada pela SUSEP continuamente, em balanços periódicos, de modo que é muito difícil que alguma empresa venha a apresentar problemas de solvência sem que o órgão fiscalizador constate antecipadamente. E, a qualquer sinal de insegurança em uma determinada instituição, o participante poderá optar pela transferência para outra operadora, pedindo a portabilidade de planos.

Pergunta de Murilo - Maceió/AL: Minha maior preocupação é com a quantia investida daqui há 20 anos, se a instituição estará com saúde financeira para honrar seu compromisso conforme contratado hoje. Como escolher uma empresa de forma a diminuir este risco?
Resposta PROTESTE: Murilo, você deve escolher a entidade de previdência privada tendo como principal referência a confiabilidade, incluindo aí, a segurança e a eficiência na gestão do dinheiro do participante. Outra boa providência é acompanhar o desempenho das empresas e exigir relatórios e extratos atualizados e periódicos.

Pergunta de Alexandre: É vantajoso contratar uma previdência privada quando já se contribui para a previdência pública?
Resposta PROTESTE: Alexandre, é vantajoso.Segundo apuramos aqui na PROTESTE, a previdência privada sempre vai compensar mais financeiramente que a pública. Entretanto, ela deve ser sempre encarada como complementar, visto que não possui alguns benefícios sociais oferecidos pela previdência pública.

Pergunta de Bruna: Qual é a principal diferença entre os planos?
Resposta PROTESTE: Bruna, as opções predominantes no mercado são PGBL e VGBL - sendo a principal diferença entre elas é que a PGBL é aconselhável para quem faz a declaração do imposto de renda pelo formulário completo (e você pode deduzir até 12% do seu salário bruto), e a VGBL é para quem faz pelo formulário simplificado. Além disso, o imposto de renda no PGBL é sobre todo o montante que você investiu, enquanto o VGBL é só sobre a rentabilidade.

Pergunta de Janaína: Se hoje eu tenho uma previdência aberta (de banco) e passo em um concurso. O que seria mais vantajoso: (1) Cancelar a minha aberta e resgatar o meu R$ para aderir a fechada da minha autarquia (ex: previ). (2) Efetuar a portabilidade para a fechada (3) Manter ambas ?
Resposta PROTESTE: Janaína, pela lei você pode transferir os recursos; entretanto, se o rendimento dos fundos for semelhante, vale mais a pena deixar o dinheiro acumulado até então no plano antigo, e acumular seus novos recursos com a ajuda do patrocinador no fundo de pensão. Sempre que tiver a opção, é melhor dar preferência à diversificação.

Pergunta de Fernando: Caso tenha algum problema, a quem devo recorrer?
Resposta PROTESTE: Fernando, o plano de previdência privada funciona como uma relação de consumo. No caso de alguma irregularidade, primeiramente você deve recorrer à administradora do plano. Em caso de insucesso, denuncie a irregularidade e a instituição à Susep, que o órgão responsável pela fiscalização das entidades de previdência. Se novamente não funcionar, recorra à Justiça.

Pergunta de Angélica: É melhor aplicar de uma vez um valor mais alto ou fazer várias aplicações?
Resposta PROTESTE: Angélica, fazer uma aplicação com valor mais alto gera maiores rendimentos, uma vez que a rentabilidade incidirá sobre todo o montante por um período maior. Além disso, fazer uma aplicação com valor maior favorece em relação à incidência de taxas de carregamento, que muitas vezes são decrescentes em relação ao valor da aplicação.

Pergunta de Ana Carolina: Uma colega minha disse, certa vez, que é interessante fazermos sempre dois planos diferentes de previdência privada, porque se um vier a falir, temos o outro. Isso procede?
Resposta PROTESTE: Ótima pergunta, Ana Carolina. O investidor nunca está completamente seguro ao investir num plano de previdência privada porque durante o período de acumulação os recursos são investidos num fundo de investimento cujas cotas ficam no nome da entidade de previdência privada e não do consumidor. Além disso durante o período de acumulação o dinheiro vai para uma espécie de “conta” comum onde vão os recursos de todos os participantes que estão recebendo o benefício ficando dessa forma impossível identificar de quem é o dinheiro de quem. Dividir entre dois planos de previdência privada pode ser interessante para diminuir esses riscos, mas fique sempre atenta a rentabilidade dos fundos as quais os planos estão atrelados assim como as taxas dos mesmos. Normalmente, planos que exigem aplicações mais baixas tendem a render menos e cobrarem taxas mais altas. Para mais informações, consulte o nosso último teste na D&D 29.

Pergunta de Luciano: Qual o melhor plano de previdência para quem trabalha por conta própria?
Resposta PROTESTE: Luciano, funciona da mesma forma que o empregado que trabalha numa empresa que não tem fundo de pensão. Para ver a melhor escolha de acordo com o seu perfil, sugiro que veja o último teste comparativo da D&D 29.

Pergunta de Endividado: Tenho uma previdência privada há uns 5 anos onde já juntei R$ 20 mil, mas agora estou precisando muito do dinheiro. O que é melhor: pegar o dinheiro da previdência ou fazer um empréstimo ?
Resposta PROTESTE: Endividado, por maior que seja o retorno de algum fundo, é praticamente impossível que ele compense os gastos com um empréstimo. Neste caso, infelizmente é melhor você resgatar o dinheiro.


Imprimir Enviar a um amigo