Notícia

Micro-ondas seguros, mas ainda sem precisão

28 janeiro 2014
microondas

28 janeiro 2014

Como fazemos todos os anos, testamos os modelos das principais marcas e, embora todos sejam seguros, os botões específicos continuam não funcionando de forma adequada na hora do preparo de alimentos.

A boa notícia é que todos os micro-ondas se mostraram seguros, com proteção contra choques e vazamentos de radiação. No que se refere ao preparo de alimentos, avaliamos a eficiência dos aparelhos e constatamos que as teclas específicas continuam não funcionando com precisão.

Para acertar nas receitas, você ainda precisa descobrir, por exemplo, a programação adequada do tempo para estourar todos os grãos de milho de uma embalagem de pipoca. Da mesma forma, deve ter cuidado para atingir o descongelamento ideal de um hambúrguer sem danificar o pão do sanduíche. Já quando preparamos o bolo e a pizza, consideramos positivo o desempenho dos fornos.

Em relação à segurança, nenhum modelo oferece riscos de choques. Na hora de colocar o aparelho na tomada, não há possibilidade de acesso a partes vivas. Quanto ao vazamento de radiação eletromagnética, verificamos que os aparelhos testados também estão seguros.

De uma forma geral, os fornos são fáceis de limpar e exigem pouca manutenção nesse sentido. A maior dificuldade encontrada na limpeza ainda consiste na bandeja giratória e em seu suporte. Isso porque levamos em consideração aspectos como as frestas de encaixe e a qualidade do material.

O ruído dos micro-ondas também foi testado e não é alto, atingindo, em média, 65 decibéis. Já para uma maior facilidade de uso, consideramos aceitável o volume interno de 15 litros. Saiba que quanto maior, melhor a avaliação.

Já na facilidade de uso, no geral, todos os aparelhos foram muito bons ou bons. Mas vale destacar que o Brastemp BMS45 e o Electrolux MEF28 têm botões mais intuitivos, claros e funcionais – sendo que o primeiro possui um botão que permite reduzir o tempo desejado, facilitando o ajuste de toques para a programação.

Quanto ao consumo de energia, verificamos que o gasto do aparelho em stand-by pode chegar a até 3,6 kW/h por mês. Isso equivale a R$ 1,50 a mais na sua conta de luz, levando em consideração as tarifas cobradas no estado do Rio de Janeiro.


Imprimir Enviar a um amigo