Veja todas as publicações da PROTESTE em seu celular ou tablet!

Dificuldades para desbloqueio do celular
Consumidores reclamam de operadoras que demoram e colocam entravés na hora do desbloqueio do aparelho.
25 fevereiro 2008 |

A PROTESTE Associação de Consumidores tem recebido reclamações de associados com dificuldade para desbloqueio do aparelho celular, apesar de estar em vigor, desde 13 de fevereiro, o desbloqueio de graça nas lojas da operadora em que foi adquirido o aparelho. A Associação orienta os consumidores a formalizar queixa na Anatel  e nas entidades de defesa do consumidor nos casos em que as operadoras estejam criando entraves para cumprimento desse direito.

Na prática, a possibilidade de usar o chip de qualquer empresa de telefonia móvel no aparelho ainda é restrita. Se o aparelho foi adquirido a preço subsidiado, numa promoção, o desbloqueio só é possível após cumprimento do prazo de carência do contrato, ou pagamento de multa.

Somente aqueles aparelhos que forem comprados a preço de mercado têm que sair desbloqueados da loja. Algumas operadoras já vendiam aparelhos desbloqueados, msmo antes da determinação da Anatel. Com o celular desbloqueado, o usuário pode, entre outras coisas, usar o chip de outra empresa para aproveitar uma promoção, economizando com as chamadas. Na tecnologia GSM, utilizada por todas as operadoras, os serviços e o número da linha estão vinculados ao chip.

Para desbloquear a maioria dos celulares que estão no mercado, basta digitar o código oficial fornecido pela fabricante do aparelho, que varia de um modelo para outro. Quando solicitado, a operadora deverá informar esse número. Há aparelhos que têm o chamado hard-lock, que exige o uso de um software especial para fazer o desbloqueio. Nesses casos, é necessário levar o aparelho à loja, com a nota fiscal e um documento de identidade.

A nova regra permite, principalmente, que o consumidor possa trocar de operadora sem mudar de aparelho. Essa será uma prática ainda mais utilizada com a portabilidade numérica, que entrará em vigor entre 29 de agosto de 2008 e março de 2009. Assim, além de levar o número quando mudar de operadora, com o aparelho desbloqueado, o consumidor não precisará comprar novo aparelho.

A Anatel restringiu a até 12 meses qualquer limitação de mudança prevista no contrato de prestação de serviço que o consumidor assina na hora da compra de um aparelho. Isso vale para o desbloqueio de celulares e também para a alteração da operadora.

Isso significa que, depois de um ano de vigência do último contrato, a operadora não pode cobrar multa de quem quiser desbloquear um aparelho subsidiado ou pedir a mudança ou cancelamento de plano.

As condições para desbloqueio dos aparelhos estão fixados no artigo 81 do Anexo à Resolução Nº 477 de 7 de agosto de 2007, do Regulamento do serviço Móvel Pessoal –SMP.

Art. 81. O Usuário deve ser informado sobre os aspectos relativos às programações incluídas nas facilidades dos Planos de Serviço e eventuais bloqueios na Estação Móvel ou na Central de Comutação e Controle, antes de qualquer ato que indique adesão ao plano.

§1º O Usuário deve, ainda, ser informado sobre a faculdade de alteração da programação das facilidades e dos bloqueios.

§2º É vedada a cobrança de qualquer valor quando do desbloqueio de Estação Móvel.

Leia também

uber-regulamentacao
foto-celular
gps-dois
uber-proibido

Deixe seu comentário()

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.