Notícia

Smartphone: funções básicas são mais usadas

02 maio 2011

02 maio 2011

PROTESTE participou de pesquisa sobre hábitos de uso dos celulares mais avançados pelos brasileiros.

O mercado dos smartphones (telefones que realizam mais funções do que um celular comum, assemelhando-se a um computador de mão) cresceu 72% de 2009 para 2010. Por isso, a PROTESTE participou de uma pesquisa com mais quatro países sobre os hábitos de uso desse aparelho. Confira as nossas principais conclusões.

Foco nas funções básicas

Os brasileiros utilizam mais as funções básicas dos smartphones, como fazer chamadas (73%), agenda (50%) e câmera digital (41%). Por outro lado, funções mais avançadas não são bem aproveitadas. Redes sociais e GPS não são utilizados, respectivamente, por 50% e 40% dos entrevistados.

iPhone e HTC com mais usuários satisfeitos

Em termos gerais, incluindo os cinco países, os aparelhos que obtiveram maior satisfação de seus usuários foram, numa escala de 1 a 100, o iPhone 4 da Apple (86), Desire da HTC (85) e iPhone 3GS da Apple (84).

Fazer ligações pode ser um problema

Os smartphones, de acordo com seus usuários, nos últimos 12 meses, tiveram mais problemas em atividades relacionadas à Internet (como fazer um download) e na realização de chamadas telefônicas. Até os usuários do iPhone 4 e 3GS relataram problemas em fazer ligações.
 
Android é o sistema operacional mais utilizado

Os sistemas operacionais mais utilizados são o Android (versões anteriores a 2.2) com 18,8 %, Apple iOS 4 com 16,1 % e o Windows Mobile (versões anteriores a 7) com 15,2%. Porém, um quarto dos brasileiros entrevistados não sabiam quais eram os seus sistemas operacionais.

Em relação à satisfação dos SOs, os que mais agradam aos seus usuários, numa escala de 1 a 100, são Android 2.2 (86), Apple iOS 4 (85), Android iOS – versões anteriores ao 2.2 (82) e Apple iOS – versões anteriores ao 4 – (79).

Download de aplicativos

Dos brasileiros questionados, 63,8% já fizeram, pelo menos uma vez, um download de aplicativo extra. Todavia, o número de downloads não é constante entre as faixas etárias, sendo maior entre os mais jovens. Pode ser observado também que a grande maioria dos downloads realizados (61,6%) eram grátis.

Como a pesquisa foi feita

A pesquisa foi realizada em cinco países (Brasil, Bélgica, Portugal, Espanha e Itália) e contou com a participação de mais de 4 mil pessoas.

Vale ressaltar que, como essa amostra não é representativa da população nacional, os dados apresentados aqui podem ser considerados como uma tendência e não como o comportamento geral.


Imprimir Enviar a um amigo