Meus dados são meus!

Pretendemos o reconhecimento de um papel positivo, proativo e central para os consumidores no mercado de dados.

Participe


Ao assinar o manifesto você está dando força a nossa luta para que haja o reconhecimento de um papel positivo, proátivo e central dos consumidores no novo mercado de dados.

É essencial respeitar a privacidade e segurança de cada consumidor.


Os consumidores devem ter controle total sobre os seus dados pessoais.

Os produtos e serviços devem assegurar um elevado nível de privacidade. As atividades online apenas podem ser monitoradas caso haja consentimento expresso, com conhecimento do fim para que são usados os dados pessoais. Deve ser possível retirar o consentimento facilmente em qualquer altura ou corrigir os dados, através de um acesso fácil ou recuperar os mesmos para serem usados de acordo com a vontade do consumidor.

Os consumidores já não são apenas a parte fraca e passiva do mercado que apenas precisam de ser protegidos de infrações ou abusos, estão entre os principais motores da inovação e contribuem de forma consistente para manter vivo o ecossistema digital.

Fique por dentro


Como ouvimos frequentemente, os megadados – Big Data – são o “novo combustível” dos mercados digitais modernos em nosso mundo hiperconectado. As estimativas indicam que o o valor da economia global de dados da UE ficará entre os 361 e os 736 bilhões de euros (entre 2,3% e 4% do PIB da UE) em 2020 .

Grande parte desses dados são produzidos por você, como consumidor. Novos negócios estão, de fato, prosperando graças a dados gerados por usuários. Mas, em troca, você não recebe o suficiente. Com frequência, você sequer está ciente de que estão usando seus dados e, com com o desenvolvimento da IoT (internet das Coisas), eles serão automaticamente adquiridos dos dispositivos que usamos e temos em casa ou no carro.

Reconhecemos que a nova economia de dados pode oferecer oportunidades enormes também aos consumidores, e estamos preparados para superar a frequentemente estéril e infrutífera oposição entre a liberdade de empreender e os direitos fundamentais dos cidadãos/consumidores. Portanto, a fim de juntar forças com todas as partes interessadas para, juntos, criarmos as condições para um desenvolvimento de uma economia estável com base em uma nova cadeia digital de valores e abraçar o futuro com otimismo renovado, é necessário que haja um reconhecimento integral do direito do consumidor de se beneficiar da inovação tecnológica de forma segura.


Consumidores unidos são mais fortes


Nós reivindicamos o reconhecimento de um novo papel, proativo e central, para os consumidores no mercado de dados


A confiança dos consumidores é crucial, e não apenas no processo do desenvolvimento econômico. Na era digital, os direitos fundamentais dos cidadãos como consumidores, de fato, se manifestam cada vez no contexto dos espaços virtuais “privados” acessados.Pela primeira vez, a proteção e a aplicação dos direitos do consumidor se tornam o veículo e garantia de acesso aos direitos fundamentais dos cidadãos.


1ª etapa

Com o seu apoio, entraremos em contato com agentes importantes do mercado. Discutiremos com eles as nossas 3 exigências, que você apoia ao assinar este manifesto.

2ª etapa

No outono de 2017, a associação italiana de consumidores, a Altroconsumo, organizará um festival em Milão. Big Data e as exigências dos consumidores estarão no topo da agenda.

3ª etapa

Continuaremos a pressionar, no mundo inteiro; em outubro, no seminário que tem o título inspirador de “O consumo do futuro”, organizado pela Proteste e, claro, Big Data e a Internet das Coisas estão na agenda.

Com os Consumidores, pelos consumidores


Internet das Coisas

Representa uma revolução tecnológica que põe o nosso quotidiano em rede. Os aparelhos que fazem parte da nossa vida diária passam a ter dispositivos ligados à Internet. Dentro de 5 anos cerca, 25 biliões de objetos estarão interconectados. O risco de possibilidade de hacking dos equipamentos com a consequente devassa dos dados pessoais é um perigo real que pode gerar bugs com potencial para colocar em risco a saúde e a segurança dos consumidores. MAIS...

Download sem risco

Quando baixa um arquivo da Internet, um bom negócio pode sair caro. Vários sites desonestos utilizam a palavra “gratuito” para enganar e espalhar arquivos maliciosos. No Windows, crie um sistema de recuperação em “Proteção do Sistema” antes de instalar programas. Poderá assim recuperar o estado anterior do seu computador em caso de problemas. Mas isto não funciona com os arquivos maliciosos. É aconselhável manter uma cópia completa do sistema e fazer backup dos arquivos num disco rígido externo, que deverá manter desligado do seu sistema após fazer a cópia. MAIS...

Phishing: não se deixe apanhar

O banco que lhe pede dados, o lembrete de uma fatura que nunca foi recebida ou o anúncio de que ganhou qualquer coisa… as tentativas de phishing são cada vez mais numerosas e criativas. Se não abrir o anexo, nem o link, nada lhe acontece. Apague o e-mail normalmente. Se conhece o remetente, avise que recebeu um e-mail falso com o seu nome. Introduziu os seus dados num site falso? Altere logo que possível a sua senha em outro computador (diferente do que utilizou para abrir o e-mail) MAIS...


Apoiamos o Projeto de Lei número 5276/2016, que dispõe sobre o tratamento de dados pessoais para a garantia de livre desenvolvimento da personalidade da dignidade da pessoa natural. Este PL é resultado de uma ampla e frutífera discussão com toda a sociedade brasileira e foi construído de forma colaborativa com amplo engajamento social por meio de consultas públicas. Trata-se de um projeto capaz de suprir grave lacuna no ordenamento jurídico brasileiro, a ponto de trazer segurança jurídica para o cidadão, para a atividade empresarial e para a administração pública no tratamento dos dados pessoais. Em 2016, assinamos com 40 entidades uma carta de apoio ao PL e entregamos no Congresso Nacional. Nossa Luta continua!