Notícia

Entrevista: dicas para educar sem palmada

15 julho 2014

15 julho 2014

Leia a entrevista com a neurocientista Andréia C. K. Mortensen e descubra diversas alternativas de como educar as crianças com apego e sem agressões.

No começo de julho a Proteste entrevistou Andréia C. K. Mortensen, neurocientista, uma das administradoras da página ‘Crescer Sem Violência’ e co-autora do livro ‘Educar sem violência: Criando filhos sem palmadas’ sobre a Lei Menino Bernardo. Andréia mostrou alternativas de como educar as crianças com apego e sem agressões. Veja abaixo:

  1. Ofereça alternativas à criança. Por exemplo, quando chove e a criança quer brincar lá fora, ofereça livros ou chame para brincar de massinha de modelar, e deixe a criança decidir, dando-lhe, assim, poder de decisão e autonomia, porém dentro dos limites estabelecidos pelo cuidador.

  2. Peça ajuda de outra pessoa que esteja mais calma na hora. Se você é uma pessoa impulsiva e que cresceu com castigos na sua própria infância, pode ser natural ter comportamentos mais explosivos na hora da raiva. Então, passe o cuidado para outra pessoa até se acalmar.

  3. Faça uma pausa junto da criança, antes que as coisas saiam do controle. Se a criança bateu no amiguinho, vá com ela a um espaço tranquilo e faça essa pausa para relaxarem juntos, e dê uma chance de ela expressar o que está sentindo. Aproveite para falar logo em seguida sobre escolhas mais apropriadas, fazendo assim um momento de acolhimento e aproximação, que é muito mais produtivo que um afastamento (como o famoso ‘cantinho do pensamento’), pois oferece à criança a chance de fazer boas escolhas baseadas em ajuda mútua.
  4. Respire fundo! Tanto cuidadores como crianças podem se beneficiar de uma sessão de respirações curtas e rápidas para se acalmar e renergizar. Aproveite e convide a criança para fazer um desenho, montar um jogo, brincar de massinha de modelar ou qualquer outra atividade que seja relaxante. Após momentos de relaxamento e conexão, converse sobre o ocorrido e oriente seu filho com alternativas gentis e respeitosas.

  5. Dê segundas chances, perdoe a criança, honestamente, e sinceramente. Você apreciaria muito ser tratado assim por outro adulto quando erra, então, aplique o mesmo conceito com seu filho. E peça perdão também quando você errar, isso só vai estreitar o vínculo e confiança entre vocês.

Imprimir Enviar a um amigo