Veja todas as publicações da PROTESTE em seu celular ou tablet!

O fim dos termômetros com mercúrio no Brasil
A partir de 2019, o termômetro e o esfigmomanômetro não poderão mais ser vendidos no Brasil. Nós contribuímos para a decisão da Anvisa em prol do meio ambiente. 
17 março 2017 |
termômetro
A partir de 2019, os termômetros e os aparelhos de pressão com mercúrio deverão desaparecer das farmácias, lojas de artigos médicos e serviços de saúde no Brasil. Em breve, eles se tornarão relíquias para as próximas gerações e você, certamente, poderá encontrá-los em universidades e museus.
 
Durante muitos e muitos anos, eles foram essenciais nos cuidados com a saúde de milhões de pessoas em todo o mundo. O  problema é que podem contaminar o meio ambiente. E foi isso que fez a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovar a proibição da comercialização, já que o Brasil faz parte da Convenção de Minamata, na qual 140 países se comprometeram a controlar o uso e a reduzir a liberação de mercúrio na natureza até 2020.
 
O termômetro e o esfigmomanômetro têm uma coluna transparente na parte interna que contém mercúrio líquido para aferir valores de temperatura corporal e pressão arterial, respectivamente. O mercúrio é um metal pesado que contamina o solo.

imagem-2

  Esfigmomanômetro

Digitais ainda são bem mais caros
 
Há muitos anos, já estão disponíveis no mercado termômetros digitais, embora sejam muito mais caros que os de mercúrio. Portanto, estes ainda são bastante populares em função do preço. Contudo, são frágeis (de vidro) e oferecem risco de contaminação aos usuários e ao meio ambiente caso caiam no chão e quebrem, espalhando o mercúrio pelo ambiente.
 
Em 2012, por sinal, nós testamos cinco desses produtos e nenhum foi recomendado para a compra. Os resultados do teste mostraram que os dispositivos ofereciam riscos de intoxicação. Os rótulos de boa parte das amostras avaliadas não informavam os procedimentos que devem ser adotados em caso de quebra do produto e vazamento do metal.
 
Desde então, buscamos a proibição da venda desses produtos. Enviamos, inclusive, ofícios ao Ministério Público e à Anvisa, que, no último dia 7, aprovou resolução sobre a proibição.
 
Mercúrio exige cuidados especiais
 
A contaminação por mercúrio é de grande risco para a saúde, sobretudo das crianças, já que ele interfere no sistema neurológico ainda em desenvolvimento, podendo afetar cognição e locomoção. Seja por inalação ou contato direto, o mercúrio eliminado por um termômetro quebrado ou aparelho de pressão pode causar febre, náuseas e dores de cabeça. Uma exposição prolongada ao metal pode comprometer rins, fígado, pulmão e cérebro.
 
Em caso de quebra de um termômetro, isole o local, feche janelas e portas. Use luvas de borracha e recolha o mercúrio com um material impermeável, como um saco de lixo ou papelão e coloque-o em um recipiente com água. A área, então, deve ser descontaminada. Misture água sanitária e água e ventile o local. Todo material usado deve ser colocado em recipientes fechados e rotulado com avisos de que contém mercúrio.
 
Embora não haja um procedimento oficial de descarte, deposite o termômetro em sua embalagem plástica nos locais para descarte de pilhas, baterias e lâmpadas fluorescentes.
 
Gostou deste conteúdo?
 
Gostou deste conteúdo? CADASTRE-SE agora e receba gratuitamente informações da PROTESTE! Se você é associado e precisa de ajuda, ligue para nosso Serviço de Defesa do Consumidor pelo 0800 282 2205 (de telefone fixo) ou (21) 3906-3800 (de celular).

Leia também

água de coco
seguro-desemprego
minimo-cartao

Deixe seu comentário()

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.