Notícia

Os benefícios da convivência com animais

13 setembro 2010

13 setembro 2010

Interagir com animais domésticos contribui positivamente para o bem-estar e para a auto-estima

Em estado selvagem, os animais defendem a si mesmos e desconfiam de outros animais. Com a convivência com os seres humanos – que inicialmente usavam os animais como alimentação, ajuda no trabalho, vestimenta e transporte – algumas espécies tornam-se dóceis e submissas, num fenômeno conhecido como domesticação.

A relação homem-animal traz inúmeros benefícios e uma visível melhora na qualidade de vida, proporcionando a diminuição da pressão sanguínea, dos níveis de colesterol e do estresse, além de reduzir o risco de problemas cardiovasculares. Estudos demonstram que o contato com animais aumenta a produção de endorfina no organismo, ajudando a minimizar os efeitos da depressão; diminui a percepção da dor e a ansiedade; e aumenta o número de células de defesa. Pesquisadores já demonstraram que a posse de um animal de estimação durante a infância é uma influência extremamente importante para a construção de uma conduta adulta favorável e para alcançar um ótimo desenvolvimento social.

Os animais também são usados na medicina em caráter complementar aos tradicionais. A Terapia Assistida por Animais (TAA) ajuda no tratamento de distúrbios como depressão, estresse e deficiência visual, auditiva e mental, síndrome de Down, mal de Parkinson, e também de vítimas de traumatismo crânio-encefálico, paralisia cerebral, mal de Alzheimer, autistas, vítimas de abuso sexual, problemas psicológicos, de relacionamento e interação social. Pesquisas também comprovaram a influência positiva dos animais na recuperação de enfartados, já que é grande o risco de um novo e fatal problema cardíaco nos 12 meses seguintes à intervenção cirúrgica. Concluiu-se que a maioria daqueles que tinham um animal de estimação permaneceram vivos e saudáveis.


Imprimir Enviar a um amigo