Veja todas as publicações da PROTESTE em seu celular ou tablet!

Vai comprar comida de praia? Então, previna-se
Se a fome bater, e você não tiver alternativa senão adquirir o alimento oferecido por vendedores ambulantes, vale a pena ficar atento a algumas precauções. 
03 fevereiro 2017 |
comida praia

Nosso teste com comida de praia, realizado no litoral de cinco estados brasileiros, comprovou: a maioria dos produtos adquiridos das mãos de vendedores ambulantes apresentava condições propícias para o desenvolvimento de bactérias, incluindo as patogênicas – aquelas que fazem mal à saúde. Além disso, também encontramos indícios de que faltou higiene durante a manipulação dos alimentos. 

Dessa forma, para evitar problemas como intoxicação ou infecção alimentar, o melhor é levar o próprio lanche de casa. Mas e se a fome pegar você desprevenido ou estiver muito difícil resistir a tantas delícias? Nesse caso, o caminho é apostar em medidas preventivas. Confira algumas delas abaixo e boa praia! 

• Prefira produtos industrializados. Refrescante, o picolé de fruta é um exemplo. Mas fica o alerta: consuma com moderação. Tenha em mente que esses alimentos podem trazer substâncias nada benéficas ao organismo, como gorduras, corantes e conservantes. E fique atento à embalagem: vale a pena conferir o estado dela, assim como o rótulo e a data de validade. 

picolé


• Observe a higiene. Antes de adquirir o alimento das mãos de vendedores ambulantes, vale analisar se o recipiente em que o produto fica armazenado está limpo e em bom estado.

• Avalie os alimentos antes da compra. Evite aqueles com odor, cor ou textura duvidosa. Fuja ainda de produtos expostos ao sol, desprotegidos ou colocados em bandejas improvisadas.

Os associados da PROTESTE contam com o apoio de nossos especialistas em Direito do Consumidor, parcerias exclusivas e acesso aos nossos comparadores, entre tantas outras vantagens. Associe-se agora!

• Evite alimentos crus. Diga não, por exemplo, às ostras cruas. O mesmo vale para produtos à base de maionese, que representam alto risco de contaminação pela bactéria Salmonella, principalmente quando expostos a temperaturas inadequadas. 

• Escolha alimentos bem quentes e preparados a altas temperaturas. Isso porque eles estão menos suscetíveis à contaminação. Esse é o caso do milho verde. Entretanto, consuma sem manteiga e não exagere no sal. Mas atenção: deixe de lado os alimentos aquecidos na areia da praia, como queijo coalho e salsichão.  

milho

• Não utilize molhos acondicionados em bisnagas flexíveis. Geralmente, esses produtos são preparados pela manhã, ou até no dia anterior, e não são mantidos em refrigeração. Se não abre mão do molho, dê preferência aos sachês. 

• Bebidas também podem ser perigosas. Os riscos de contaminação não se restringem aos alimentos. Bebidas também podem provocar infecção ou intoxicação alimentar, seja devido à má procedência da água ou às más condições de preparo. Mais uma vez, a dica é ficar de olho tanto na higiene quanto no armazenamento. Observe, por exemplo, se a garrafa está livre de rachaduras ou arranhões. Além disso, utilize copos descartáveis. Se adquirir bebida em lata, lave-a antes de consumir. 

 mate

 


Gostou deste conteúdo? Cadastre-se agora e receba gratuitamente informações da PROTESTE!

 

Leia também

falencia-fabricante
alimenta-4
tv-de-tubo
comida

Deixe seu comentário()

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.