Notícia

Micoses de pele: cuide da higiene e proteja-se

19 maio 2015

19 maio 2015

Simples medidas, adotadas no dia a dia, podem ajudar você a evitar micoses provocadas por fungos. E quando se trata desses micro-organismos, vale o alerta: é melhor prevenir do que remediar.

Causadas por fungos, as micoses incomodam, e não é nada fácil livrar-se delas – além de longo, o tratamento exige persistência. Por isso, o melhor é você tomar algumas precauções para se proteger do problema e evitar o surgimento de manchas e coceira.


As micoses podem aparecer em várias partes do corpo. As tinhas, ou tineas, por exemplo, se manifestam no couro cabeludo, na virilha ou entre os dedos dos pés, dando origem, nesse último caso, à doença popularmente chamada de frieira ou pé de atleta.


Quando expostos ao calor e à umidade, fungos presentes nessas regiões encontram condições favoráveis para crescer de forma rápida, desencadeando o quadro.


Frequente em crianças em idade escolar, a tinha no couro cabeludo é contagiosa e, muitas vezes, epidêmica. Placas de cabelos picotados apresentam-se como uma de suas principais características.


Quem fica muito tempo com biquíni ou calção molhados após o banho de mar e piscina está mais propenso a desenvolver tinha na virilha. Ocasionada por fungos existentes em água contaminada, a doença dá origem, entre outros sintomas, a manchas avermelhadas.


A frieira também causa vermelhidão na área afetada, além de coceira e descamação entre os dedos e na planta do pé. O hábito de andar descalço em ambientes como vestiários e saunas é um convite à infecção.  


Embora incômodas, as tinhas não são graves. Porém, elas precisam de cuidados. Se deixada de lado, a tinha na virilha tende a se alastrar pela região genital, enquanto a frieira pode levar a uma infecção bacteriana, principalmente em idosos, devido ao aparecimento de rachaduras na pele.


Para afastar a chance de passar pelo desconforto trazido pelas tinhas, evite compartilhar objetos pessoais, como toalhas e bonés. E seque-se sempre muito bem após o banho (confira, na página ao lado, outras formas de se prevenir).


Candidíase pode causar lesões 


Rachaduras no canto da boca e manchas brancas na língua são alguns dos sinais de candidíase oral, conhecida como sapinho. É ainda possível que a candidíase apareça ao redor das unhas, causando dor e inchaço local. 


Partes quentes e úmidas do corpo, em que duas superfícies se pressionam ou esfregam uma na outra, também costumam ser atacadas, o que leva a lesões na pele. E quando se manifesta nos órgãos genitais, a coceira é sintoma comum ao homem e à mulher.


Baixa imunidade, uso de antibióticos e diabetes não controlado favorecem o surgimento da candidíase, que, contagiosa, pode se propagar por meio do contato com secreções provenientes de pessoas que apresentam o problema – e isso independentemente da região afetada. Manter mãos e pele limpas, adotar uma alimentação saudável e usar camisinha são maneiras de se proteger contra a doença.


Pitiríase é recorrente em jovens  


A pitiríase versicolor é outro tipo comum de micose. A mancha que ela provoca na pele – cuja cor pode ser branca, rosa, bege ou marrom-escuro – a fez ganhar o nome popular de pano branco. O problema só acomete pessoas que já têm predisposição a desenvolvê-lo, sendo mais recorrente em adultos jovens, adolescentes e em pessoas com pele oleosa. 


Ao contrário do que muita gente pensa, a pitiríase não é adquirida na praia ou piscina. Por outro lado, esses ambientes favorecem o seu aparecimento. Isso porque o uso de produtos oleosos, o calor e a umidade tendem a aumentar a oleosidade presente no corpo, e esse é um prato cheio para os fungos que se alimentam dessa gordura. 


Sob essas condições, eles passam a causar danos às células de pigmentação da pele. Peito, pescoço, costas e parte superior do braço são as áreas mais atingidas.


Quem teve a doença deve evitar a exposição ao calor. Já para se ver livre da mancha, o uso de medicamentos é necessário. Saiba que o tratamento para essa e outras micoses leva tempo e deve ser acompanhado por um médico (leia mais sobre o assunto no quadro ao lado).

Gostou deste conteúdo? Cadastre-se agora e ganhe acesso ao conteúdo exclusivo que reservamos para você!



Imprimir Enviar a um amigo