Notícia

Brasileiros abusam dos ansiolíticos

23 janeiro 2013

23 janeiro 2013

Nossa pesquisa apontou que os brasileiros estão consumindo irresponsavelmente medicamentos tranquilizantes e já apresentam sinais de dependência.

A PROTESTE realizou uma pesquisa com tranquilizantes como ansiolíticos, antidepressivos e hipnóticos, com pessoas de cinco países, para analisar o uso destes medicamentos. E o resultado revelou que a epidemia dos Rivotris, Valiums, Prozacs e afins em nosso país é até mais grave do que nos demais pesquisados: Bélgica, Itália, Espanha e Portugal.

Os brasileiros demonstraram um uso crônico significativamente mais alto, principalmente de antidepressivos. O uso destes medicamentos está associado a indivíduos com estilo de vida pouco saudável, definido por aqueles que sofrem de insônia, são fumantes, sedentários, estressados e portadores de transtornos de ansiedade ou depressão.

Veja abaixo os índices que apontaram que os brasileiros iniciam o consumo mais cedo:

  • 45% dos entrevistados brasileiros já fizeram uso desses medicamentos e também declararam ter consumido mais de todas as categorias de remédios no último ano.
  • 36% dos brasileiros começaram a tomá-los antes dos 26 anos, percentual mais alto entre as nacionalidades ouvidas.
  • Mulheres na faixa etária entre 55 e 74 anos e com escolaridade baixa são mais propensas a consumir, ao longo da vida, esses psicotrópicos, cujo uso idealmente não deveria exceder quatro semanas e 50% dos participantes admitiram consumi-los por mais de um ano.
  • 47% das pessoas usam ansiolíticos juntamente com antidepressivos, os principais motivos que levam a ingerir esses remédios são problemas de insônia e acontecimentos traumáticos, como morte de parente, divórcio ou desemprego.
  • 9% dos participantes admitiram adquirir os medicamentos por meio de parentes ou amigos.
  • Boa parte dos usuários, sob acompanhamento médico, relatou não ter recebido qualquer orientação ou advertência sobre os riscos de dependência, seus efeitos colaterais e o perigo em associá-los ao álcool.
  • 35% dos brasileiros apresentam sinais de dependência de ansiolíticos e hipnóticos
  • 45% disseram se sentir mais seguros se tiverem o remédio à mão e uma parte significativa afirmou ficar nervosa com sua falta. Não bastasse, um quarto dos usuários aumenta suas doses para manter a sua eficácia.

Os dados de nossa pesquisa, contrários ao estereótipo do brasileiro despreocupado e tranquilo, evidenciam que o uso irresponsável e o abuso dessas medicações já são uma realidade em nossa sociedade.


Imprimir Enviar a um amigo