Notícia

Conheça as razões do uso de tranquilizantes

23 janeiro 2013

23 janeiro 2013

Veja quais são os principais motivos de uso de tranquilizantes relatados pelos participantes da pesquisa e saiba como fizemos o estudo.

Uma importante descoberta da nossa pesquisa, foi a declaração dos entrevistados sobre o fato de a insônia ser o principal motivo de uso dos medicamentos. Deles, 21% disseram voltar a experimentar problemas para dormir ao parar com esses medicamentos, o que gera um eterno ciclo vicioso. Outras razões incluem acontecimentos traumáticos, como morte precoce de um parente, e problemas de saúde.

Confira todas as razões que levam ao uso destes medicamentos:

  • 50% Problemas para dormir.
  • 32% Problemas profissionais (excesso de trabalho, prazos pouco realistas).
  • 41% Acontecimentos traumáticos (divórcio, morte de parente ou amigo, perda de emprego).
  • 29% Problemas e conflitos familiares (discussões, problemas com filhos).
  • 33% Doenças e problemas de saúde.
  • 28% Problemas financeiros (dívidas, despesas excessivas).

Veja abaixo alguns alertas sobre o uso de psicotrópicos:

  • Não dirija após o uso de tranquilizantes: 49% dos brasileiros relataram que dirigem com frequência ou sempre ao fazerem uso de tranquilizantes. Trata-se de um risco, já que esses medicamentos costumam causar sedação e podem retardar a coordenação motora.
  • Não realize atividades perigosas: 28% dos entrevistados afirmou realizar, sob o efeito desses remédios, atividades consideradas perigosas, como usar furadeiras ou martelos.
  • Não consuma bebidas alcoólicas: O álcool pode intensificar alguns dos principais efeitos colaterais de ansiolíticos e antidepressivos, como sedação, tontura e problemas de memória.

Conheça os efeitos colaterais causados por tranquilizantes:

  • 33% Sonolência.
  • 18% Problemas de memória.
  • 11% Tontura.
  • 10% Alteração de humor.
  • 10% Sensibilidade emocional.

Veja como fizemos o estudo sobre tranquilizantes:

Recebemos quase 13 mil formulários respondidos por entrevistados belgas, italianos, espanhóis, portugueses e brasileiros. Nosso objetivo foi avaliar diversos aspectos ligados ao uso de medicamentos tranquilizantes, que englobam principalmente ansiolíticos, hipnóticos e antidepressivos.


Imprimir Enviar a um amigo