Notícia

Transtorno bipolar: conheça o tratamento

25 setembro 2015

25 setembro 2015

Veja as causas do transtorno bipolar e saiba como é feito o tratamento dos sintomas. Acesse a notícia da PROTESTE e leia mais sobre a bipolariadade.

Céu ou inferno. São nesses dois extremos que o portador do transtorno bipolar habita, oscilando entre períodos de mania, em que sente uma energia descomunal, e o abismo desolador da depressão. Tido como um dos mais graves distúrbios de humor, é pernicioso tanto para o portador quanto para seus familiares. E tem, ainda, um considerável peso sobre a sociedade, pois sua frequente incapacitação, especialmente o afastamento do trabalho, gera custos anuais que chegam a bilhões de reais.


A bipolaridade trata-se de uma condição que, embora ainda sem cura, é tratável. A combinação indispensável entre medicação e psicoterapia permite ao portador uma vida praticamente normal. Além disso, a adoção de hábitos saudáveis como praticar exercícios físicos regulares, ter um bom sono e evitar bebidas alcoólicas e drogas é um complemento imprescindível ao tratamento.


Ainda não se conhecem as causas do transtorno bipolar, classificado, em ordem decrescente de intensidade, em três tipos TB-I, TB-II e transtorno ciclotímico , mas acredita-se que seja uma doença predominantemente neurobiológica e com um importante fator genético. Assim como em outros distúrbios mentais, como depressão e esquizofrenia, ocorrem alterações na regulação dos neurotransmissores serotonina, dopamina e noradrenalina.


É uma condição cíclica, pois um episódio tende, com 50% a 90% de probabilidade, a promover outro no futuro. É também crônica, já que os sintomas, mesmo em pessoas em tratamento, podem persistir por toda a vida. Um histórico de estresses psicológicos e sociais, como a morte de uma pessoa próxima, pode deflagrar o transtorno em indivíduos já predispostos. 


Você sabia que síndrome de pânico tem cura?


Primeiros sinais na adolescência

Os sintomas iniciais costumam surgir entre o final da adolescência e o começo da idade adulta. Por isso, é importante que os familiares fiquem atentos a algumas das bandeiras vermelhas do distúrbio. Estas incluem estado de humor elevado, fala rápida, aumento da libido, desorganização comportamental, pessimismo, energia baixa, pensamento mais lento e dores no corpo nos episódios depressivos. Há, ainda, o estado de hipomania, que partilha os sintomas da mania, mas de forma mais branda, tanto que muitas vezes passa completamente despercebido.


O uso de álcool e de drogas, infelizmente frequente entre bipolares, agrava a evolução do distúrbio e, para piorar, prejudica a adesão ao tratamento. Como se não bastasse, aumenta em duas vezes o risco de suicídio, já elevado entre portadores da doença, sobretudo os mais jovens, dos quais 25% tentam, em algum momento, tirar suas próprias vidas. 


A chave para diagnosticar o transtorno bipolar é um meticuloso processo de investigação, que deve levar em conta características como idade do primeiro episódio, alta recorrência de episódios depressivos, histórico familiar da doença e abuso de drogas.




Confira algumas dicas sobre o apoio da família aos portadores da bipolaridade

  • Esteja por perto: apoie o paciente em momentos difíceis, tanto em fases depressivas quanto maníacas. Mantenha os medicamentos na dose certa e no horário prescrito.
  • Calma durante a agitação: é muito importante ser firme e ter paciência, pois o relacionamento com o bipolar em fase de mania pode ser maçante para os familiares. 
  • Fique atento aos sinais: detecte junto a seu familiar bipolar os primeiros sinais de uma recaída. Se ele considerar como intromissão, afirme que seu papel é ajudá-lo.
  • Alerte o médico: fale com o psiquiatra responsável pelo paciente imediatamente caso suspeite de que ele esteja tendo ideias de suicídio e desesperança.
  • Controle os gastos: estabeleça regras de proteção durante fases de normalidade do humor, como retenção de cheques e cartões de crédito durante um episódio de mania.
  • Estimule um bom sono: dormir bem é fundamental para o controle do humor. Auxilie a manter um bom sono e programe atividades antecipadamente.
  • Evite julgamentos: não exija demais e não o superproteja. Ajude-o, se preciso, com algumas atividades. Procure não demonstrar sinais de preconceito que favoreçam o abandono do tratamento.
  • Cuide-se: participe de terapias familiares em grupo, conjugais e de orientações psicoeducacionais.


Gostou deste conteúdo? Cadastre-se agora e ganhe acesso ao conteúdo exclusivo que reservamos para você! 

Se você é associado PROTESTE e precisa de ajuda com nosso conteúdo ligue para (21) 3906-3980.


Imprimir Enviar a um amigo