Notícia

Tuberculose: perigo no ar

12 março 2013
tuberculose

12 março 2013

Mesmo tendo cura, a doença atinge milhares de brasileiros e pode matar se o tratamento não for feito adequadamente.

A tuberculose não é coisa do passado. Embora hoje em dia a doença infectocontagiosa já tenha cura, ainda atinge milhares de brasileiros e, se não for tratada corretamente, pode matar.

A transmissão acontece com o espirro ou tosse de uma pessoa que tem tuberculose ativa, lançando no ar gotículas com o bacilo de Koch, bactéria causadora da doença. Elas podem ser aspiradas por aqueles que estiverem próximos, contaminando-os.

Na maioria dos casos, as defesas do organismo bloqueiam o bacilo, impedindo a infecção. Mas, em outros, a bactéria resiste causando a doença, que começa pelos pulmões e pode se estender, através da corrente sanguínea, por todo o organismo. Se não for tratada a tempo e da maneira correta, pode atingir outros órgãos além dos pulmões, como laringe, ossos, articulações e intestinos, causando a doença e podendo levar à morte.

Para chegar ao diagnóstico, o paciente deve fazer uma avaliação médica completa, que inclui análise do histórico médico e exames mais específicos, como baciloscopia (análise da secreção do paciente).

Procure um médico imediatamente:

Os principais sintomas que o paciente que desenvolveu a doença apresenta são tosse, febre baixa, perda do apetite, palidez e fadiga. Se um ou mais desses sintomas persistirem por três semanas, procure um médico – de preferência, pneumologista – imediatamente.

O paciente com diagnóstico da doença deve seguir à risca o tratamento, disponível apenas na rede pública da saúde. O uso do coquetel de medicamentos por, no mínimo, seis meses é fundamental para a melhora do paciente, seja criança, adolescente ou adulto.

A prevenção à tuberculose é difícil, mas algumas medidas podem reduzir as chances de infecção e da doença, sobretudo se começarem cedo.

  • Crianças com até 4 anos de idade devem receber a vacina BCG, que dá até 80% de resistência ao organismo para o resto da vida.
  • Você também deve evitar aglomerações e locais abafados, sem ventilação e iluminação solar.
  • Não fume e evite inalar fumaça de cigarro.

Imprimir Enviar a um amigo