Notícia

Principais apólices foram avaliadas

31 maio 2010

31 maio 2010

Saiba quais coberturas complementares devem fazer parte de seu seguro de vida.

Antes de escolhermos a ACE como parceira, nós analisamos em março deste ano, as apólices das 18 maiores seguradoras de vida do país, segundo dados da SUSEP (Superintendência de Seguros Privados). Entre as companhias analisadas, estavam:

Itaú
Mapfre
MetLife
Allianz
Bradesco
Caixa
Marítima
Mongeral
Porto Seguro
Santander
Zurich Minas
Sul América

Simulamos cotações e indagamos sobre as condições gerais de cada produto. Como as condições gerais das apólices são parecidas, os principais fatores de diferenciação foram preço e a cobertura de cada contrato.

É essencial ter as coberturas básicas

Em nossa avaliação, dividimos a análise em dois grupos: coberturas básicas (morte natural, morte acidental e invalidez permanente por acidente) e coberturas complementares.

A cobertura de morte garante justamente o risco de morte, decorrente de causas naturais ou acidentais. Já a cobertura de IPA garante o pagamento de indenização, caso o segurado perca um membro ou órgão definitivamente, de maneira parcial ou total, em decorrência de lesão física causada por acidente pessoal coberto. 

Certas coberturas complementares são importantes

As coberturas complementares são consideradas como um plus no seguro de vida. Elas não são tão importante como as básicas, mas ainda assim são interessantes para você.

Embora as coberturas de Invalidez por Doença Funcional (Grupo A) e Doenças Graves (Grupo B) sejam analisadas como complementares, nós recomendamos que você contrate pelo menos uma delas. Elas proporcionam mais segurança a você.


Imprimir Enviar a um amigo