Notícia

Passageiros se adaptam às regras mais rígidas de inspeção em voos domésticos

28 julho 2016
aeroporto-filas

28 julho 2016
Transtornos dos primeiros dias ocorreu por falta de informações e de reforço das equipes para a revista. Confira o que muda e veja como evitar contratempos.

Passageiros se adaptam às regras mais rígidas de inspeção em voos domésticos

As mudanças nas normas de inspeção de bagagens e revista de passageiros nos aeroportos brasileiros, implementadas a partir de 18 de julho, para aumentar os procedimentos de segurança, alteraram a rotina dos voos domésticos e geraram filas nas áreas de embarque de várias cidades nos primeiros dias.

As novas regras foram adotadas com a proximidade da realização das Olimpíadas no Rio de Janeiro, e intensificação dos atos terroristas na Europa. E na avaliação da PROTESTE, os transtornos iniciais foram gerados pela falta de informações e de reforço das equipes dos aeroportos para fazer a inspeção de forma mais ágil. 


O que muda com as novas regras 

Agora os passageiros passaram a  chegar com maior antecedência (2 horas) para o embarque e a situação se normalizou. Com as novas determinações da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), além da passagem pelo pórtico que identifica possíveis objetos proibidos, os passageiros podem ser sujeitos a: revista física ou passagem pelo scanner corporal; abertura da bagagem de mão para inspeção; e retirada do notebook da bagagem de mão.

Antes somente nos voos internacionais era obrigatória a retirada de computador portátil e de outros dispositivos eletrônicos do interior de malas e mochilas transportadas na bagagem de mão na passagem pelos raios X. A justificativa para o procedimento é que o laptop dificulta a visualização do interior da bagagem. As alterações não mudam a lista de itens que já são proibidos na bagagem de mão, como embalagens com mais de 100 ml de líquido e objetos cortantes. 

revista-aeroporto

Todos os passageiros podem ser revistados

A revista física é aleatória, ou seja, o passageiro pode ser revistado por um Agente de Proteção da Aviação Civil (APAC) do mesmo sexo independentemente do disparo do alarme do equipamento de raios-X. A revista pode ocorrer em local público ou reservado, a critério do passageiro e dos agentes, e com presença de testemunha.

A recusa do passageiro levará à proibição de acesso à área de embarque. Todos estão sujeitos à revista, inclusive autoridades, Passageiros com Necessidade de Assistência Especial (PNAE) e crianças.

De acordo com a Anac, as medidas estão sendo adotadas em função da atualização normativa sobre a segurança da aviação civil contra atos de interferência ilícita, necessária para a melhoria contínua da segurança do transporte aéreo a todos os passageiros.

Gostou deste conteúdo? Cadastre-se agora e receba gratuitamente informações da PROTESTE!


Imprimir Enviar a um amigo