Notícia

Couvert de mesa: não engula a prática de cobranças indevidas

25 março 2015

25 março 2015

Visitamos dez restaurantes no Rio de Janeiro para ver se há cobranças pelo couvert de mesa, os famosos aperitivos servidos antes da refeição, sem que o cliente tenha pedido a entrada e descubra a cobrança indevida apenas quando recebe a conta. Veja os resultados. 

O couvert de mesa, a famosa cestinha de pães e outros petiscos servida para abrir o apetite do cliente, é, afinal, uma cortesia oferecida pelo restaurante ou uma prática abusiva que fere o Código de Defesa do Consumidor (CDC)? A resposta que constatamos, após visitarmos 10 estabelecimentos no Rio de Janeiro para verificar essa prática, infelizmente depende do que vier discriminado na conta.


Se não tiver pedido ou não souber do custo adicional, não pague

O mais importante para saber é que, caso você não tenha pedido essa entrada, ou se o garçom não tiver comunicado previamente sobre sua cobrança antes de trazê-la à mesa, ela deve ser considerada uma “amostra grátis” e não deve gerar qualquer custo – mesmo que você a tenha consumido. Isso é um direito seu e, caso seja violado, deve ser reclamado junto ao gerente do estabelecimento, ao Procon ou à Proteste, que lhe daremos todas as orientações.


Restaurante cobra por couvert que não foi pedido pelo cliente

Felizmente, apenas um dos dez estabelecimentos visitados, o Duo Restaurante, localizado no bairro da Barra da Tijuca, falhou feio nesse aspecto. Nele, o couvert foi trazido sem a solicitação de nosso colaborador anônimo, que tampouco foi informado que haveria uma cobrança pelo prato.


Por outro lado, vimos que essa prática é cercada de incertezas, não havendo qualquer padronização. Assim, somente quatro estabelecimentos - La Mole, Amadeus, Aprazível e Fratelli – descrevem claramente os itens dessa entrada em seus cardápios e servem o que está proposto na carta.



O cardápio do La Mole (à esquerda) indica os alimentos que constam no couvert. Já o do Pax Delícia (à direita) ignora essa informação.



Garçom deve perguntar a todos da mesa se querem a entrada

A confusão continua: em alguns restaurantes o custo é por pessoa, enquanto em outros ele é por valor único, independente do número de pessoas à mesa. Quando a cobrança for por pessoa, o correto é o garçom perguntar quais integrantes do grupo desejam a entrada, para não cobrá-la de quem não a consumiu. Não foi o que vimos acontecer nos restaurantes Albamar, Fratelli e Zuka.



Couvert por pessoa sai mais caro do que em grupo; veja nossas dicas


Nos restaurantes que cobravam o couvert por pessoa, vimos que o que foi servido para uma mesa de quatro não era equivalente a quatro porções individuais. Dessa forma, a cobrança por pessoa acaba saindo mais caro, se for levado em conta a relação quantidade e preço.

  • Assim, se estiver em uma mesa com outros indivíduos e quiser mais algum item da entrada, peça ao garçom. 
  • Para evitar surpresas desagradáveis, antes de aceitar ou pedir uma entrada, certifique-se de como é feita a cobrança.
  • Caso seja cobrado por algo que não solicitou, ainda que tenha consumido, reclame ao garçom e, se a cobrança indevida continuar, denuncie ao Procon mais próximo e à PROTESTE.

Confira todos os estabelecimentos visitados e os valores cobrados pelos couverts:

Gostou deste conteúdo? Cadastre-se agora e ganhe acesso ao conteúdo exclusivo que reservamos para você!



Imprimir Enviar a um amigo