Notícia

Cuidado com as liquidações

07 janeiro 2015

07 janeiro 2015

Consumidores não devem se empolgar com os descontos e preços tentadores. É preciso cuidado com falsas promoções e evitar compras por impulso para não comprometer o orçamento.

As promoções do varejo no mês de janeiro já se tornaram tradição no Brasil. Consumidores enfrentam extensas filas e se submetem a sacrifícios para participar das liquidações das lojas, como carregar pesados produtos em mãos porque não é feita a entrega da compra. A PROTESTE Associação de Consumidores recomenda cautela para que o esforço realmente compense. 


Consumidores ávidos por preços vantajosos devem estar atentos e adquirir somente itens necessários por preços justos, e que correspondam à oferta ou à publicidade anunciada. É preciso avaliar a real necessidade da compra e comparar os preços para avaliar se as ofertas realmente valem a pena. Os anúncios chegam a apontar produtos com desconto de até 70%, mas é preciso ver se o abatimento não é sobre preços inflados. 


Liquidações


Para tirar o melhor proveito das liquidações e não gastar mais do que o bolso permite, a PROTESTE orienta sobre os cuidados necessários:

  • Faça pesquisa de preços em vários estabelecimentos para verificar se não se trata de "falsa liquidação", o que acontece com mais freqüência do que se pode imaginar. Na vitrine, tudo induz a acreditar em produtos e preços ótimos, mas ao entrar na loja o consumidor verifica que não é bem assim.
  • Não compre por impulso só porque é barato, pois a mercadoria pode não ter utilidade para você. Compras por impulso são vilãs que podem comprometer o orçamento familiar.
  • Não tenha pressa. Avalie com cuidado os produtos. No caso de roupas, prefira modelos mais clássicos e cores neutras.
  • Veja se compensam as promoções do tipo "pegue dois, leve três", ou que deem brindes, descontos em segunda compra, sorteio de prêmios, etc. 
  • Após pesquisar os preços, defina, ainda em casa, o que deve ser comprado. Um bom aliado disso são os anúncios em jornais, rádios ou tevês, que deverão ser guardados. O material publicitário poderá auxiliar numa eventual reclamação contra a empresa, caso não haja o cumprimento da oferta. 
  • Tenha cuidado redobrado com o estado das mercadorias, principalmente aquelas em exposição. Lembre-se de que não poderá trocá-la, por isso, confira se não há defeitos que comprometam a utilização.
  • No caso de produtos com pequenos defeitos – roupas com manchas, descosturadas ou eletrodomésticos com partes amassadas, ou ainda, móveis de mostruário – você deve exigir que a loja coloque na nota fiscal os problemas apresentados, detalhando-os. Os prazos para reclamar desses defeitos são de 30 dias para produtos não duráveis e 90 dias para produtos duráveis. 

Gostou deste conteúdo? Cadastre-se agora e ganhe acesso ao conteúdo exclusivo que reservamos para você!




Imprimir Enviar a um amigo