Notícia

Fusão de banco não pode prejudicar cliente

03 novembro 2008

03 novembro 2008

PROTESTE alerta que Itaú e Unibanco devem manter todos os contratos com os consumidores e garantir a qualidade na prestação de serviços.

A fusão entre o Itaú e o Unibanco não pode prejudicar os clientes das instituições avalia a PROTESTE Associação de Consumidores.Os bancos precisam respeitar todos os contratos firmados com seus clientes, como pacotes de serviços, empréstimos, financiamentos, juros acertados e investimentos. Tudo deve ser mantido conforme acertado nos contratos com o consumidor. Com a fusão, anunciada  dia 3 de novembro, surgiu o maior grupo financeiro privado do Hemisfério Sul e um dos 20 maiores do mundo.

Comunicado divulgado pelos dois bancos, informa que, por ora, nada muda operacionalmente para os clientes do Itaú e do Unibanco.Todos continuarão a utilizar normalmente os diferentes canais de atendimento, cheques, cartões e demais produtos e serviços. Mas é preciso enviar comunicado oficial aos clientes para tranquilizá-los, adverte Maria Inês Dolci, coordenadora Institucional da PROTESTE. E informar o consumidor, por exemplo, se as agências serão mantidas.

Não pode haver redução dos canais de atendimento ou alterações no acesso a serviços por parte dos bancos, o que  caracterizaria descumprimento de oferta ou alteração unilateral de contrato, proibidos pelo Código de Defesa do Consumidor.  

Geralmente o consumidor é prejudicado com processos de fusão, pois alguns serviços são adaptados ou descaracterizados. Além do que haverá maior concentração num mercado já limitado, e o consumidor fica cada vez mais sem opção para escolher o banco que cobra menos tarifas, por exemplo

Não é hora de tomar atitudes precipitadas, para não ter prejuízos. A migração imediata para outro banco pode implicar em rescisões de contratos que estabeleçam multas. O primeiro momento, portanto, é de compasso de espera. Cabe ao banco montar uma equipe própria para atender aos consumidores.


Imprimir Enviar a um amigo