Veja todas as publicações da PROTESTE em seu celular ou tablet!

Proteção financeira do consumidor no G20
PROTESTE vê avanço na declaração final dos líderes mundiais, preocupados com a situação do consumidor de produtos e serviços financeiros.
12 novembro 2010 |

O Plano de Ação do G20, declaração final dos líderes mundiais reunidos em Seul na semana de 8 a 12 de novembro, incluiu entre os objetivos do grupo das 20 maiores economias do planeta a proteção financeira do consumidor. Essa era uma das reivindicações da campanha global coordenada pela Consumers International, da qual a PROTESTE Associação de Consumidores participou. Foi exigido da delegação brasileira que levasse ao G20 a proposta de criação de um Grupo de Especialistas em Proteção Financeira do Consumidor.

Embora a proposta de criação do Grupo de Especialistas não tenha sido incorporada pelo G20 no encontro de Seul, a PROTESTE considera um avanço a declaração final dos líderes mundiais, que demonstraram preocupação com a situação do consumidor de produtos e serviços financeiros.

Segundo o Plano de Ação anunciado pelo G20, a proteção financeira dos consumidores deve entrar na pauta da próxima reunião do grupo, e contará com a colaboração da OCDE (Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico).A organização internacional composta por 33 países deverá consultar organizações de consumidores do mundo todo para apresentar suas propostas.

Apesar da vitória obtida pela campanha internacional dos consumidores, a PROTESTE considera que a mobilização não pode parar. O objetivo da PROTESTE e da Consumers International é pressionar os governos nacionais, o G20 e a OCDE para que as reivindicações apresentadas antes do encontro de Seul, com medidas específicas sobre contratos, juros e informação ao consumidor financeiro, sejam consideradas e entrem na pauta da próxima reunião do G20.


Leia também

tapioca-teste
abertura
alimentos-funcionais
IMG-queijominas

Deixe seu comentário()

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.