Notícia

PROTESTE cobra soluções para problemas no serviço de recarga do Bilhete Único em São Paulo

22 janeiro 2016

22 janeiro 2016

Em ofício enviado às autoridades, PROTESTE defende que usuários não sejam prejudicados e cobra providências para minimizar o transtorno.



A PROTESTE enviou ofício ao Governo do Estado de São Paulo, à Prefeitura de São Paulo, SPTrans e Secretaria Estadual de Transportes, cobrando ações para solucionar o problema da falta de postos de recarga do Bilhete Único nas estações de metrô e terminais de ônibus em São Paulo.  


Usuários não podem ser prejudicados

No ofício, a Associação também pede que seja disponibilizado, imediatamente, informativos com indicação dos pontos oficiais de recarga mais próximos em todas as estações e terminais afetados. 

"O consumidor não pode arcar com os prejuízos causados pela interrupção do serviço e é dever da prefeitura e do governo solucionar o problema o quanto antes, já que grande parte da população utiliza o metrô ou ônibus como meio de transporte", avalia Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da PROTESTE. 

No documento, a Associação destaca que os usuários não foram notificados previamente sobre o fim das atividades da rede Ponto Certo, empresa responsável pelo sistema de recargas do Bilhete Único na cidade;

Também não foram implementadas alternativas para minimizar os transtornos, desrespeitando o direito à informação e a eficaz prestação dos serviços públicos, previsto no artigo 6º do Código de Defesa do Consumidor.



Dificuldade para comprar bilhete

Com a redução das cabines de recarga, os usuários são obrigados a enfrentar longas filas nos guichês das estações e terminais. As máquinas de autoatendimento, que também foram reduzidas, em muitos casos encontram-se danificadas.

As falta de alternativas força o usuário a comprar o bilhete físico do metrô ou a pagar a tarifa de ônibus em dinheiro, perdendo o benefício da integração. Ou a procurar postos de recarga fora das estações e terminais. 



Os serviços de recarga do Bilhete Único foram suspensos pela rede Ponto Certo desde julho do ano passado. Inicialmente, a empresa retirou as cabines com funcionários e em dezembro, retirou também as máquinas de recarga automática das estações do metrô e terminais de ônibus. 

A empresa optou por não renovar o contrato, alegando que não há reajuste nas comissões pagas pelo Metrô e a SPTrans desde 2011. 


Gostou deste conteúdo? Cadastre-se agora e receba gratuitamente informações da PROTESTE!


Imprimir Enviar a um amigo