Notícia

Rock in Rio é liberado

19 setembro 2013

19 setembro 2013

Após nova vistoria no local a Justiça permitiu a realização dos quatro últimos dias do Rock in Rio. Veja as dicas da PROTESTE sobre os seus direitos em caso de problemas no evento. Confira:

O Rock in Rio foi liberado pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. O festival fora criticado por certas irregularidades e problemas na infraestrutura relacionados à alimentação, postos de saúde, transporte, segurança e limpeza.

Por conta destas questões, que se caracterizam como má prestação de serviços e afetam diretamente o consumidor, o Ministério Público entrou na Justiça solicitando o cancelamento do evento e atuou junto com outros órgãos na regularização dos problemas detectados. O fato é que o festival recebeu alvará para funcionar sem a devida avaliação das condições do local e só depois de três dias de evento foram constatadas as irregularidades.

Segundo a assessoria do MP, os problemas mais graves detectados foram falta de médicos suficientes, leitos, suprimentos, sinalização para os postos de saúde e ambulâncias devidamente equipadas. Durante o evento ocorreram irregularidades como a ausência de boletins de atendimentos médicos e ambulâncias sem equipe disponível, além da falta de medicamentos. 

Também foram divulgados problemas com as condições de higiene precárias na primeira etapa do evento, um evidente desrespeito ao público. Por conta de vazamentos, alguns banheiros foram interditados. Havia, ainda, filas quilométricas e enormes poças de urina no piso. Estes acontecimentos representam violações às normas sanitárias, e são ameaças à segurança e saúde do consumidor. A dica da PROTESTE é usar calçados fechados como tênis ou bota para não entrar em contato com a sujeira dos banheiros, que pode até transmitir doenças.

No primeiro dia do evento também ocorreram problemas com o transporte para quem adquiriu o Rio Card especialmente para o evento. A leitora do ônibus cobrava duas passagens, uma para os custos do cartão de plástico e outra pela viagem. Para os portadores do Rio Card comum, que também era aceito, foi cobrado apenas uma passagem. No segundo dia, a cobrança foi informada aos usuários pela supervisora da bilheteria da empresa localizada na saída do evento. Porém, não aconteceu mais este tipo de cobrança. 

Durante os três primeiros dias do evento foram registrados centenas de boletins de ocorrência por conta de furtos, roubos e extravios de documentos, além de casos de lesão corporal. Em todos esses casos é preciso procurar a delegacia móvel instalada nas proximidades da Cidade do Rock para fazer queixa. Lembre-se de levar os documentos e o dinheiro em um local seguro, como uma doleira, para abrigar os pertences junto ao corpo.

A PROTESTE concorda que todo evento tem suas regras e precisa assegurar as condições mínimas para que tudo ocorra bem sem transtornos aos participantes. Porém, os direitos dos consumidores não podem ser deixados de lado. É importante lembrar que cabe aos fornecedores prestar serviços de qualidade, nos termos do Código de Defesa do Consumidor. Por isso, se houver problemas, registre a reclamação na empresa prestadora do serviço e caso não seja solucionado, recorra a um órgão de proteção ao consumidor a fim de obter a solução do caso.

Veja no artigo ao lado como driblar os preços altos dos alimentos e bebidas e como se proteger de uma indisposição alimentar.


Imprimir Enviar a um amigo