Notícia

Como identificar parques sem segurança

19 novembro 2013

19 novembro 2013

Avaliamos 14 praças públicas no Rio de Janeiro e verificamos que as crianças correm o risco de sofrer graves acidentes pela falta de manutenção. Conheça, a seguir, as atitudes de prevenção, que podem ser adotadas, para ajudar a evitar lesões infantis.

Ficar de olho nas crianças enquanto estão brincando nos parquinhos nunca é demais. Ainda mais quando o risco de lesão torna-se quatro vezes maior se o pequeno cair de um brinquedo com altura superior a 1,5 m.

 

Os acidentes representam a principal causa de morte de crianças, de 1 a 14 anos, no Brasil, segundo pesquisa do Ministério da Saúde. E o mais agravante: as quedas estão em primeiro lugar nas estatísticas. Entretanto, pelo menos 90% dessas lesões poderiam ser evitadas com atitudes de prevenção.

 

No Rio de Janeiro, visitamos 15 bairros (Recreio, Barra, Vila Isabel, Méier, Tijuca, Madureira, Cascadura, Tanque, Vila Valqueire, Campo Grande, Santa Cruz, Copacabana, Flamengo, Ipanema e Catete)e constatamos que muitos equipamentos estão em péssimo estado, necessitando de interdição parcial e até total. Em Ipanema, as praças estão com obras do metrô, por isso não foram avaliadas.

 

Você pode ajudar a identificar parques infantis sem segurança e, assim, evitar acidentes com crianças de todas as idades. Para isso, preste atenção nas dicas a seguir:

  • Verifique se os brinquedos estão em boas condições, como se há ferrugem ou se possuem alguma “gambiarra”, e se são adequados à idade da criança.
  • Observe se o piso apresenta absorção para a queda, como grama, areia e borrachões.
  • Garanta que a criança, ao andar de bicicleta, patins ou skate, utilize roupas adequadas e proteção apropriada, como capacete, joelheiras e cotoveleiras. Assegure-se também se os locais são próprios para a atividade.
  • Mantenha a vacinação das crianças em dia, o que reduz o risco de contrair tétano em caso de acidente com materiais enferrujados.
  • Veja as condições gerais da praça, como a iluminação (se for à tarde), as telas de proteção e os bancos.
  • Oriente a criança quanto aos limites na utilização de cada brinquedo.
  • Evite o uso de equipamento que não esteja em bom estado de conservação.
  • Fique atento ao que seu filho está fazendo e, se possível, ajude-o em todas as atividades.
  • Se encontrar uma situação perigosa, comunique à prefeitura, imediatamente, por meio das ouvidorias.
  • Nesse caso, você deve fazer um comunicado também à associação de moradores de seu bairro.

Imprimir Enviar a um amigo