PROTESTE exige da AES Eletropaulo transparência no valor da bandeira tarifária na conta
Cobrança é confusa e consumidor fica sem saber quanto é o efetivo acréscimo na conta de luz.
23 julho 2015 |
A PROTESTE enviou ofício para a AES Eletropaulo pedindo alteração na forma como a cobrança da bandeira tarifária aparece na conta, porque o consumidor não tem como saber qual valor ele efetivamente está pagando de acréscimo quando estão em vigor as bandeiras vermelha e amarela,
 
Estamos pedindo o cumprimento ao que determina a Resolução Normativa nº 626, de 30 de setembro do ano passado: a distribuidora deve discriminar na fatura os valores adicionais a serem cobrados quando da aplicação das bandeiras amarela ou vermelha. "Exigimos que as bandeiras tarifárias sejam apresentadas de forma clara na conta, separada de outras tarifas, conforme determina a legislação", destaca Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da PROTESTE. 
 
Até o desmembramento do valor das cobranças, respeitando o direito à informação previsto no Código de Defesa do Consumidor, a PROTESTE pede para que sejam informados na fatura, nos veículos de grande circulação e no site da Eletropaulo, justificativa para as bandeiras aparecerem em valores superiores ao do cobrado pelo consumo de energia, e explicação de como se chega a tais números. 
 
Foram enviadas cópias do ofício para a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e à Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arsesp) pedindo providências. 
 
Com as bandeiras tarifárias há repasse automático à conta de luz, que pode ser mensal, do custo adicional do acionamento das usinas termelétricas. Os valores cobrados pela energia passam a flutuar de acordo com a necessidade do uso dessas geradoras mais caras quando há escassez de água nas hidrelétricas. 
 
Só não há acréscimo na conta quando vigora a bandeira verde, que significa custos baixos para gerar a energia. Antes das bandeiras, essas variações de custos eram repassadas no reajuste anual das tarifas. 
 
Quando a bandeira fica vermelha, o adicional cobrado proporcional ao consumo é de R$ 5,50 por 100 kWh. Quando é amarela, o acréscimo é de R$ 2,50 por 100 kWh. A esses valores são acrescentados os impostos vigentes. 
 
Na apresentação da conta da Eletropaulo, a bandeira é calculada com outras subtarifas. No caso de bandeira vermelha, o consumidor se obriga a fazer a seguinte conta para discriminar os valores cobrados: KWH *0,20086 (tarifa base) + KWH *0,055 (preço da bandeira vermelha). 
 
Numa fatura referente a junho, por exemplo, a descrição do faturamento informa que o consumo de 235 quilowatt-hora no mês custou R$ 40,17 (sem contar tributos). Na linha seguinte, no item "bandeira vigente: vermelha" há o valor de R$ 60,12. Induz o consumidor a achar que está pagando mais pela bandeira vermelha do que pelo próprio consumo, o que não é real. Na conta usada para exemplificar, o valor que o consumidor pagará pela bandeira é de R$ 12,92, e não aparece discriminado.
 

 
Gostou deste conteúdo? CADASTRE-SE agora e ganhe acesso ao conteúdo exclusivo que reservamos para você!

Leia também

s7
prato
Zoom de cartão de crédito
conta

Deixe seu comentário()

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.