Notícia

Anatel começar a exigir 20% da velocidade

14 novembro 2012

14 novembro 2012

Equipamento vai medir a velocidade da internet na casa do consumidor, que anteriormente recebia apenas 10% da velocidade contratada.

A partir deste mês as empresas de banda larga do Brasil deverão garantir uma velocidade imediata superior a 20% do total contratado pelo usuário, atualmente a média praticada é de 10%. Para garantir a entrega do serviço, o cumprimento desta meta será fiscalizado pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações). Segundo a agência, a medição será iniciada no estado do Rio de Janeiro, que contará com 137 medidores distribuídos em diversos pontos para avaliar diferentes prestadoras.

A PROTESTE e outras entidades civis abordavam esta problemática durante a campanha realizada este ano: “Banda larga é um direito seu”, com o objetivo de incentivar um serviço de internet com preço justo e de boa qualidade. A Associação também já havia questionado sobre a importância de a Anatel exigir uma forma adequada de aferição do serviço de conexão à Internet.

Para garantir o processo de aferição dos indicadores de qualidade de acesso à Internet, foi criada pelo governo a Entidade Aferidora da Qualidade (EAQ). O método de aferição contará com a participação de 12 mil consumidores voluntários pelo Brasil que receberão, sem custos, o medidor de parâmetros de qualidade. Após a primeira fase de medição, os primeiros resultados deverão ser divulgados em dezembro de 2012.

Os consumidores que não conseguiram se inscrever no processo de medição oficial, também podem fazer sua própria fiscalização.  A Anatel indica que os clientes façam testes do serviço que contrataram e confiram se estão recebendo a velocidade correta acessando o site: Brasil Banda Larga.

As empresas também deverão oferecer em seus sites medidores da qualidade de conexão. As operadoras “Claro” e “Oi” já permite consulta do consumo das franquias de dados no site, a “Vivo” informa por SMS e a “Tim” ainda não disponibiliza o serviço.

Além das operadoras serem obrigadas a manter percentuais mínimos de velocidade de conexão, que não poderão ser menores do que 20%, chegando a 60% em 2014. As empresas também terão responsabilidades referentes a regras de atendimento ao consumidor e número mínimo de reclamações.


Imprimir Enviar a um amigo