Especial

Guia da conversão de pulso para minuto

28 março 2007

28 março 2007

Nos estados em que a cobrança da telefonia fixa já mudou, quem ainda não optou por um plano sentirá no bolso a diferença.

O que muda

O sistema de telefonia fixa tem agora dois planos de oferta obrigatória (Básico e Pasoo), que estão sendo implantados gradativamente desde 1º de março, com a tarifação das ligações locais por minuto. Até 31 de julho deve acabar a medição por pulso.

Medição e forma de tarifação - No novo sistema, a medição das chamadas locais de fixo para fixo será feita em minutos, e as empresas devem ofertar ao consumidor os dois planos obrigatórios: o Básico e o alternativo - Pasoo. O consumidor optará por um dos dois planos e poderá alterar a escolha a qualquer tempo, sem custos.

Atenção: O consumidor que não optar passará automaticamente para o Plano Básico.

Peça conta detalhada

É importante fazer a solicitação formal à operadora para receber a conta detalhando todas as chamadas locais, com números chamados, dia e horários, tempo de ligação e custo de cada uma delas. É importante exigir esse direito, pois a fatura detalhada das ligações locais permite monitorar o uso do telefone para controlar o orçamento doméstico.

Atenção: A conta detalhada é gratuita. Só pode ser cobrado o pedido de segunda via ou se o vencimento da fatura tiver ocorrido há mais de 120 dias da solicitação.

Franquia

Atualmente a assinatura residencial dá direito a 100 pulsos. No novo sistema o plano básico tem franquia de 200 minutos, e o alternativo, 400 minutos.

Cobrança nos horários reduzidos

No sistema de pulsos, no horário reduzido, havia a cobrança de um pulso - o pulso único. A partir da conversão, no Plano Básico o consumidor pagará o equivalente a dois minutos, e no alternativo Pasoo, o equivalente a quatro minutos.

O que permanece


Imprimir Enviar a um amigo