Notícia

Mobilização por banda larga de qualidade

08 agosto 2011

08 agosto 2011

PROTESTE participa de tuitaço na campanha por internet barata e de qualidade para todos. E dia 15 tem manifestação em São Paulo.

A PROTESTE Associação de Consumidores participa hoje dia 9 de agosto, às 16h, da campanha nacional “Banda larga é um direito seu” que promoverá um tuitaço. É para mostrar a insatisfação com os rumos que tomaram as negociações do governo com as teles e com o Plano Nacional de Banda Larga.

E no dia 15, às 19h, haverá uma manifestação no Sindicato dos Engenheiros (Rua Genebra, 25, São Paulo-SP) para defender a banda larga barata, de qualidade e para todos. E para reforçar o coro por um novo marco regulatório para as comunicações.

Para participar do tuitaço para mobilizar para semana que vem são sugeridas as seguintes frases: Não gostou do acordo do governo com as teles? Junte-se a nós! Ato dia 15/8 em SP: http://bit.ly/qtSSmn #minhainternetcaiu #pnbl;Concorda que a internet deveria ser um direito? Junte-se a nós! Ato dia 15/8 em SP: http://bit.ly/qtSSmn #minhainternetcaiu #pnbl;Junte-se a nós por uma internet barata, de qualidade, para todos! Ato dia 15/8 em SP: http://bit.ly/qtSSmn #minhainternetcaiu #pnbl;Acha que a Anatel pega muito leve com as teles? Junte-se a nós! Ato dia 15/8 em SP: http://bit.ly/qtSSmn #minhainternetcaiu #pnbl;A ANATELes não garante sua internet? Mobilize! Ato no dia 15/8 em SP: http://bit.ly/qtSSmn #minhainternetcaiu #pnbl;Quero internet sem telefone. Venda casada, não! Mobilize! Ato dia 15/8 em SP: http://bit.ly/qtSSmn #minhainternetcaiu #pnbl.

No final de junho, o Governo Federal fechou um acordo com as empresas de telecomunicações para garantir banda larga de 1 Mbps a R$ 35 em todos os municípios do país até 2015. Mas não passa de um pacote limitado e diferenciado, que está longe de garantir a universalização do serviço.

Para protestar contra esse acordo com as teles e pedir banda larga barata, de qualidade, para todos os brasileiros, a Coordenação dos Movimentos Sociais (CMS) pede para que o governo federal defina a banda larga como serviço público (prestado em regime público), volte a investir na Telebrás como instrumento de políticas públicas e retome o diálogo com as entidades do campo popular para pensar um projeto estratégico para o setor.

As entidades que participam da mobilização, entre as quais a PROTESTE, querem um plano estratégico de longo prazo que garanta a expansão constante das redes e a universalização progressiva do serviço. E a garantia de que a banda larga seja tratada como serviço público, o que não significa que deve ser apenas prestado pelo Estado, mas que podem ser exigidas das empresas privadas metas de universalização, controle de tarifas, e garantias de qualidade e continuidade do serviço.


Imprimir Enviar a um amigo