Notícia

Dengue: prevenir é o melhor remédio

07 abril 2015

07 abril 2015

Longe de erradicada, a dengue continua ameaçando as cidades brasileiras. Confira os sintomas, quais cuidados tomar, caso tenha contraído o vírus, e como evitar a doença. Lembre-se, prevenir é sempre o melhor remédio.

Embora o número de casos tenha caído significativamente no ano passado, em até 80% no primeiro bimestre daquele ano, a dengue continua presente nas grandes cidades brasileiras. Os maus hábitos, como deixar vasos, pneus e telhados com água parada, além de obstruir ralos e córregos com lixo, ainda são os principais responsáveis pela proliferação do mosquito Aedes Aegypti. 

Somente no mês de abril, na cidade de São Paulo, foram registrados 12 casos da doença por hora. A capital paulista é uma das cinco cidades com maior registro no País, segundo o Ministério da Saúde, foram registrados até o dia 28 de março mais de 460 mil casos de dengue no Brasil e mais da metade dos casos em São Paulo.


Confira as principais perguntas e respostas sobre a doença, assim como os sintomas e os métodos de prevenção.


O que é dengue?

A dengue é uma doença causada por um vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, que se reproduz em depósitos de água limpa, parada e acumulada tanto em quintais quanto dentro das casas. 


Todos os quatro tipos do vírus podem causar as diferentes formas da doença, que são a clássica e a hemorrágica, a mais grave. Uma vez infectada por uma dessas variações do vírus, a pessoa fica imune à mesma, podendo, assim, ter dengue, no máximo, quatro vezes.



Como ocorre a transmissão?

O vírus só é transmitido pela fêmea do Aedes aegypti, que pica durante o dia, principalmente nas primeiras horas da manhã e nas últimas da tarde, e normalmente dentro de casa. As pernas são o principal alvo dos mosquitos e mulheres são mais vitimadas do que homens. 


Como o mosquito tem pouca autonomia de voo – entre 50 e 100 metros ao redor de onde nasceu – quem vive perto de outra pessoa que já teve dengue corre mais risco de contrair o vírus. Portanto, caso seja a sua situação, redobre a atenção.   


Quais são os sintomas?

Em adultos, o primeiro sinal de alerta é febre alta súbita. Ela vem associada com dor de cabeça, dores musculares, nas juntas, atrás dos olhos, cansaço e vermelhidão no corpo (exantema). Após um período de 3 a 7 dias, a temperatura começa a cair e os sintomas regridem, embora a fadiga (prostração) e a fraqueza possam continuar ainda por algumas semanas.


Em crianças, o sintoma inicial também é febre alta acompanhada por apatia, sonolência, recusa da alimentação, vômitos e diarreia, podendo ou não haver vermelhidão. 


A dengue hemorrágica compartilha os mesmos sintomas iniciais. Entretanto, depois do terceiro dia aparecem sinais de hemorragia, como sangramento nasal, gengival e rompimento de vasos superficiais da pele (hematomas), que indicam a forma mais grave da doença.



O que devo fazer em suspeita de dengue?

Procure, imediatamente, assistência médica na unidade mais próxima (posto de saúde, saúde da família, UPA ou hospital). O diagnóstico preciso da dengue é feito por exame de sangue.


Caso tenha a doença, tome os seguintes cuidados:

  • Procure orientação médica;

  • Beba muito líquido, como água, água de coco, sucos e sopas;
  • Fique de repouso;
  • Não use medicamentos sem prescrição médica ou que contenham ácido acetilsalicílico;
  • Não utilize anti-inflamatórios (Diclofenaco, Voltaren e Profenid, entre outros).


A febre diminuiu. Estou curado?

Não, pois a dengue pode se tornar mais grave justamente quando a febre começar a diminuir, sendo que o período mais grave é o de dois a três dias após a temperatura ter baixado. Assim, procure um médico, mesmo que já tenha se consultado com um no início do diagnóstico.  


Quais sintomas alertam para a necessidade de procurar atenção médica com urgência?

Vômitos que não passam ou que tenham sangue, intensa e constante dor na barriga, tontura ao mudar de posição (deitar, sentar ou levantar), sangramentos (nariz, boca ou outros orifícios), respiração prejudicada, agitação, sonolência, suor frio e necessidade reduzida de urinar.



Posso usar repelente para me proteger da doença?

O repelente ajuda, sim, a evitar a picada, já que afasta o mosquito; porém, trata-se de uma solução temporária, pois ele tem ação de apenas algumas horas e o mosquito permanece vivo. Assim, a melhor forma de evitar a dengue é por meio da eliminação do Aedes aegypti, atuando diretamente nos focos onde o mesmo nasce e onde se desenvolvem as larvas.  

Caso não tenha o flash player 9.0, acesse http://www.adobe.com e baixe o plugin. 

Dicas para evitar a dengue:

  • Elimine focos de água parada;
  • Fure pneus e guarde-os em locais protegidos das chuvas;
  • Mantenha fechadas cisternas, caixas d’água, tambores e barris;
  • Limpe periodicamente calhas de telhados e marquises, não permitindo o acúmulo de água;
  • Jogue, a cada 15 dias, desinfetante em ralos externos e internos pouco usados;
  • Não deixe que poças em terrenos acumulem água parada;
  • Jogue fora latas, pneus e garrafas;
  • Mantenha fossas sépticas bem conservadas e funcionando perfeitamente;
  • Não despeje lixo em valas, valetas, margens de córregos e riachos, mantendo-os desobstruídos;
  • Mantenha subsolos e garagens sempre secos;
  • Evite ter plantas aquáticas.


Gostou deste conteúdo? Cadastre-se agora e ganhe acesso ao conteúdo exclusivo que reservamos para você!



Imprimir Enviar a um amigo