Notícia

Planos de saúde: poucas opções individuais

26 maio 2014

26 maio 2014

Durante nosso teste, constatamos que as operadoras estão deixando de comercializar a modalidade individual/familiar, reduzindo as escolhas dos consumidores. Poucos são os que possuem cobertura nacional e só metade oferece acomodação em quarto privativo.

Está cada vez mais difícil contratar um plano de saúde individual. Em nosso mais recente teste, constatamos que muitas operadoras estão deixando de comercializa-los. Os reajustes por variação de custos dessa modalidade só podem ocorrer após autorização prévia da ANS e o cancelamento não pode ser unilateral, situações que fazem com que as operadoras não tenham interesse em vender essa modalidade de plano.


Para piorar, poucos possuem cobertura nacional. Dos 123 planos individual/familiar que analisamos, das 13 maiores operadoras do país, apenas 23% possuíam abrangência nacional. Destes, só 11% obtiveram o conceito mínimo aceitável.


As operadoras Amil, Golden Cross, Dix Saúde e Intermédica não ofereciam planos individuais/familiares no momento de nosso estudo, por isso não entraram na análise.


Sem reembolso para internações


Dentre os planos participantes do teste, 49% ofereciam acomodação em quarto coletivo, as chamadas enfermarias. E nenhum deles oferece reembolso em caso de internações. Salvo quando isso é garantido por lei, como em casos de urgência e emergência.


Avaliamos também o prazo de carência cobrado pelas operadoras em caso de exames de menor (hemograma) e maior complexidade (ressonância magnética). No primeiro caso, a maioria estipula prazo de 30 dias, e no segundo a carência é superior a 120 dias. Por isso, não ficaram bem avaliados nesse quesito.


Diante de situações tão restritivas, o consumidor que não tem condições de arcar com despesas médicas particulares ou não quer ficar à mercê do sistema público de saúde se vê cercado de planos carentes e com desequilíbrio no número de credenciados e beneficiários.


Para fugir desse cenário, leia aqui o resultado de nosso teste dividido em quatro perfis e por região do país. E fique atento às nossas dicas:


  • Se você viaja muito, um plano de abrangência nacional pode ser a melhor opção.
  • Mas se você não costuma sair de sua cidade, um plano municipal costuma ser mais barato.
  • Confira com atenção os procedimentos aos quais têm direito.
  • Se você tem mais de 60 anos e ao tentar contratar um plano de saúde foi rejeito pela operadora, denuncie na ANS pelo telefone 0800-7019656. A prática de não pagar comissão aos corretores que fecharem contrato com idosos têm sido frequente e é inadmissível.



Imprimir Enviar a um amigo