Veja todas as publicações da PROTESTE em seu celular ou tablet!

Custo elevado: estudo da PROTESTE mostra inflação em cesta básica paulista

Os resultados da pesquisa mostram aumento de 17% no preço médio da lista de itens básicos.

23 julho 2021 |

Em um período marcado pela pandemia de Covid-19, desvalorização monetária, maior procura por produtos, aumento no valor dos transportes e problemas relacionados à colheita, os preços nos supermercados paulistas representam um efeito da crise – aumento na cesta básica. Para compreender a variação, a PROTESTE realizou uma coleta dos preços nos estabelecimentos, entre o dia primeiro até sete de junho, envolvendo os seguintes itens básicos: arroz branco, feijão preto, óleo de soja, açúcar refinado, desinfetante, leite integral, sabonete, álcool em gel, papel higiênico, água sanitária e sabão em pó.

A metodologia utilizada nesse estudo foi a pesquisa dos preços em 50 supermercados na cidade de São Paulo, na zona oeste, norte, sul e leste. Para que houvesse uma comparação entre os preços, os estabelecimentos foram os mesmos visitados durante o mês de julho de 2020, entendendo assim, a variação nos valores. 

Os supermercados cariocas também indicaram aumento no preço da cesta básica, veja a matéria aqui.

Em 2020, o preço médio de uma cesta básica era R$ 52,31 e entre agosto do ano passado até maio de 2021, a inflação foi de 7,16%, e levando em consideração os preços atuais, o valor médio da lista dos itens básicos para o dia-a-dia é R$ 61,36 – um aumento de 17%. 

Mesmo que a variação em alguns produtos seja pequena, analisando de forma anual, a alta nos valores representa a diminuição no poder de compra no consumidor. No entanto, devido à pandemia, o comportamento dos consumidores modificou os valores nos produtos. Com a criação de estoques dentro de casa sem necessidade, a procura modificou o valor de produtos como feijão carioca e o desinfetante – que agora, representaram redução após esse período inicial.

A variação no valor dos alimentos

Produto

2020

2021

Variação

Óleo de soja

R$4,00

R$ 7,75

96%

Arroz branco

R$ 3,98

R$ 5,89

48%

Açúcar refinado

R$ 2,55

R$ 3,38

33%

Leite integral

R$3,66

R$ 4,65

27%

Feijão carioca

R$ 8,23%

R$ 7,61

-8%

Os preços coletados referentes aos alimentos básicos da cesta básica sofreram as maiores variações – os destaques são para seguintes produtos: o óleo de soja (96%), arroz branco (48%) e açúcar refinado (33%). O único item que não sofreu aumento durante a coleta de preços, foi o feijão carioca (-8%). 


A mudança nos produtos ligados à higiene

Os itens ligados à higiene pessoal e doméstica, em comparação aos alimentos sofreram menores variações. No entanto, a alta nos produtos continua principalmente na água sanitária (19%) e no papel higiênico folha dupla (13%).

Produto

2020

2021

Variação

Água sanitária

R$ 5,26

R$ 6,25

19%

Papel higiênico folha dupla

R$ 7,00

R$ 7,90

13%

Sabonete

R$ 2,66

R$ 2,83

6%

Sabão em pó

R$ 10,26

R$ 10,45

2%

Desinfetante

R$ 4,71

R$ 4,55

-3%


Atenção às compras: pesquise antes de comprar

Após os resultados da coleta de preços, a PROTESTE aconselha aos seus consumidores que se atentem a realizar uma boa pesquisa antes da ida ao supermercado. Como o período pede prevenção devido à pandemia, navegar pelos sites ou aplicativos dos estabelecimentos é uma recomendação. 

Os supermercados paulistas foram aprovados e todos os visitados estavam 100% de acordo com todas as medidas de prevenção – exigiram a utilização de máscara dentro do supermercado, higienização do carrinho e disponibilização de álcool em gel. 

Levar um pequeno recipiente com álcool também é uma boa dica para garantir a segurança nas compras. 

Server Error

Leia também

Server Error
Server Error
Server Error
Server Error

Deixe seu comentário()

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.