Veja todas as publicações da PROTESTE em seu celular ou tablet!

Ida aos supermercados: ‘É imprescindível fazer pesquisas’ recomenda especialista da Proteste

Pesquisa de preços dos produtos preparada pela Proteste mostra diferença de R$ 511,36 entre estabelecimentos na cidade de São Paulo

05 outubro 2021 |

Sair de casa para realizar as compras domésticas pede atenção ao consumidor: a escolha do supermercado faz toda a diferença no valor final dos produtos. É o que indica a pesquisa de preços elaborada pela Proteste – onde o valor do mesmo produto e marca pode custar 5x mais, dependendo do estabelecimento. A especialista em Relações Institucionais da Proteste, Mariana Rinaldi, recomenda aos consumidores, em entrevista ao SP TV, economia em meio à alta dos preços.

Segundo o levantamento, envolvendo 104 produtos de mercearia, higiene, limpeza, perecíveis, hortifrúti e outros, o estabelecimento indicado como mais barato marcou R$ 661,81, enquanto que o mais caro foi de R$ 1.173,16  nos itens básicos. A diferença chega a R$ 511,35 e, em 12 meses, R$ 6.136,20. Por isso, Rinaldi alerta que o período pede cautela: “O consumidor não deve sair para as compras sem uma comparação de preços muito bem estruturada, para entender em qual dia da semana os produtos são mais baratos, acessíveis, e de acordo com o que ele precisa realmente” explica a especialista.

Outro conselho também destacado é que o consumidor opte por fazer as compras com tempo para pesquisar itens nos corredores e nas prateleiras, para que assim, confira os preços de todos os produtos com cautela. Aqueles que se encontram em prateleiras na altura dos olhos, por exemplo, são considerados mais caros.   

Economize nas suas compras! Conheça o simulador de preços da Proteste – rápido e fácil!

 

Server Error

Leia também

Server Error
Server Error
Server Error
Server Error

Deixe seu comentário()

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.