Notícia

Descubra se a chopeira da Heineken é boa

15 julho 2014

15 julho 2014

Saiba por que a PROTESTE não aconselha a compra da chopeira que utiliza unicamente o barril da Heineken como refil.

A chopeira Heineken Beertender surgiu no mercado como uma opção para quem quer comodidade e conforto na hora de tomar um chope gelado. E para conferir a eficiência desta novidade, a PROTESTE realizou diversos testes e descobriu que o produto não vale a pena.

No primeiro teste o barril foi colocado no Beertender na temperatura ambiente (25ºC) e após 19 horas ligado, conforme indicado no manual, verificamos se a bebida estava gelada.

Descartamos o primeiro copo e medimos a temperatura do segundo copo que estava entre 3ºC e 4ºC. O manual informa que a temperatura da cerveja ficará entre 0 e 4º C, o que foi atingido no teste. Medimos a temperatura da cerveja durante todo o uso do barril e as condições não se alteraram.

No segundo teste colocamos o barril por 12 horas na geladeira e quando faltava uma hora para completar este período ligamos o Beertender na tomada. Depois de uma hora colocamos o barril na chopeira e medimos a temperatura da bebida, que estava na faixa de 2ºC e 3ºC. Continuamos a medição durante o uso de todo o barril e o chope manteve a temperatura.

proteste-teste-chopeira-heineken-temperatura
Na tampa da chopeira está o aviso de que com o ambiente acima de 28ºC a bebida não ficará tão gelada.
Passou de 28ºC, bebida não fica tão gelada 

Apesar dos resultados satisfatórios dos testes de temperatura do chope, um aviso na tampa da chopeira e no manual de instruções alerta que em estações do ano com temperaturas ambiente acima de 28ºC a bebida não ficará tão gelada. Fator preocupante para um país tropical como o Brasil, já que no verão ou em temperaturas mais elevadas a cerveja é mais consumida.

No manual de instruções existe a informação de que o produto não pode ser usado em área aberta. E não fica claro, por exemplo, se numa área como uma churrasqueira com apenas a parte superior ou lateral coberta se o produto pode ou não ser usado. Caso não possa, limita-se bastante o uso do produto. Por isso, consideramos as informações do manual somente aceitável, pois deixa dúvida sobre todas as condições de uso normal do produto.

No teste de facilidade de uso encontramos dificuldades na conexão da mangueira do barril até a torneira da chopeira, pois necessita de um ajuste firme e apenas após o som de um clique está pronto para uso. E, para dificultar, no manual de instruções não há nenhuma informação referente a este processo.

proteste-teste-chopeira-heineken-mangueira
Outra dificuldade encontrada foi na instalação da mangueira do barril até a torneira da chopeira.
Mangueira é difícil de ser encontrada no Brasil

Outro problema da chopeira são as trocas da mangueira que precisam ser feitas a cada troca do barril, pois na embalagem do Beertender vêm apenas cinco mangueiras de conexão. Para comprar outras mangueiras, o fabricante orienta a aquisição no site www.beertender.com, porém não existe nesta página uma opção para entrega no Brasil.

No mesmo site foram feitas simulações de compra em outros países, como Estados Unidos, e o resultado da busca foi “indisponível”. Os únicos sites onde é possível encontrar as mangueiras são no site Mercado Livre e Ebay, porém sem garantia do fabricante. Esta dificuldade pode limitar bastante o uso do produto, já que na falta da mangueira o produto não pode ser utilizado.

Por estes motivos a PROTESTE não recomenda a compra da chopeira Heineken Beertender. E ainda mais: o produto custa caro, R$ 650, e só pode ser utilizado com o barril de chope da Heineken que custa em média R$50, reduzindo as possibilidades de você escolher o barril mais em conta ou de outra marca de sua preferência.

proteste-teste-chopeira-heineken-troca-mangueira
Para usar a chopeira é preciso trocar a mangueira (acima) que é difícil de ser encontrada no Brasil.

A PROTESTE enviou ofício à Secretaria de Defesa do consumidor, e ao fabricante para que o manual de instruções seja aperfeiçoado e traga informações claras e precisas sobre todas as condições de uso normal do produto, e seja disponibilizado na Internet.

E ao Procon foi pedida fiscalização sobre a falta das peças para reposição e indicação no site e manuais onde se pode encontrar a reposição das mangueiras, conforme determina o artigo 32 do Código de Defesa do Consumidor.


Imprimir Enviar a um amigo